Brasil e Argentina querem intensificar parceria na área nuclear

Ao celebrar 25 anos de acordo de cooperação, presidentes dos dois países querem mais conversa para construção de usinas e medicina nuclear

Os governos do Brasil e Argentina celebraram na última terça-feira, 19 de julho, os 25 anos do acordo nuclear entre os dois países e da Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares. Na ocasião, o presidente interino do Brasil Michel Temer e o presidente da Argentina, Mauricio Macri, manifestaram a intenção de aprofundar a parceria bilateral para a construção de usinas nucleares e abastecimento do mercado regional do radioisótopo Molibdênio-99, essencial na medicina nuclear para o diagnóstico e tratamento de enfermidades.

Nota conjunta divulgada pelos dois países destacou a celebração do Acordo de Guadalajara, firmado em 1991, que possibilitou aos dois países superarem “desconhecimentos e desconfianças mútuas e lançar as bases de uma relação transparente e cooperativa” para a área nuclear. A nota reforça ainda a necessidade de os países buscarem o desarmamento nuclear e a não proliferação do uso dessa tecnologia como arma, além de instarem os países detentores de armas nucleares a “eliminar completamente” seus arsenais de modo transparente, verificável e irreversível.