Nordeste pode fechar novembro com 5,9% de armazenamento

Enquanto isso, a projeção é de que os reservatórios do sul encerrem o período com o acúmulo de 96,6% de sua capacidade

Os submercados Sul e Nordeste do país vivem situações diametralmente opostas nesse início de período chuvoso no país. O primeiro tem a perspectiva de encerra o mês de novembro com 96,6% de capacidade de armazenamento em reservatórios utilizada. Já o segundo está com uma projeção de chegar ao final deste período com apenas 5,9% de toda a sua capacidade. Esses dados constam do primeiro relatório do Programa Mensal de Operação do SIN que é divulgado semanalmente pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico.Já os outros dois submercados, o Sudeste/Centro-Oeste e o Norte estão com perspectivas de encerrar o mês com 27,2% e 22,8%, respectivamente.
Ainda na quinta-feira, 29, o ONS divulgou que as vazões esperadas projetam mais um mês crítico para a região Nordeste. É esperada Energia Natural Afuente de 29% da média histórica na região, ou 1.607 MW médios. O operador revelou ontem que já há estudos sendo feitos de como operar a UHE Sobradinho (BA, 1.050 MW) com o volume morto, que está na cota -9% da usina que tem o maior lago artificial do mundo.
No Sudeste/Centro-Oeste são esperadas vazões de 92% da média de longo termo, ou seja, 27.708 MW médios, no Sul está projetada vazão de 168% da MLT, ou 15.713 MW médios para o período até 30 de novembro. Já o Norte está com previsão de 63% da média histórica com 1.940 MW médios.
Já para a semana operativa que começa neste sábado, 31 de outubro, o CMO médio está no mesmo patamar no NE e no Norte em R$ 240,96/MWh, em R$ 234,60 no SE/CO e em R$ 168,18/MWh no sul. Nessas duas últimas regiões a diferença está no patamar de carga leve já que no sudeste está em R$ 194,44/MWh e no sul em R$ 41,58/MWh, os patamares pesado e médio estão em R$ 265,46/MWh. Nas duas outras regiões, a carga pesada e média estão definidas em R$ 276,70/MWh e a leve em R$ 194,44/MWh.
Nessa semana a geração térmica está em 15.881 MW médios. Desse volume 9.787 MW médios estão dentro da ordem de mérito, 5.561 MW médios por garantia energética, 458 MW médios por inflexibilidade e 75 MW médios por restrição elétrica.
Ainda ontem o ONS informou que a perspectiva é de redução de carga de 0,9% na comparação com o mesmo mês de 2014. Esse desempenho é esperado com a projeção de queda da demanda no SE/CO na casa de 2%, no Sul a queda deverá ficar em 3,5% enquanto no NE deverá ser registrada uma elevação de 1,1% e no Norte aumento de 8,5%, esse fator em decorrência da interligação da região ao SIN.

Para checar a evolução do CMO e gerar gráficos com múltiplos parâmetros acesse o Monitor Energia disponível para assinantes do CanalEnergia Corporativo