ONS já estuda como operar Sobradinho com o volume morto

Perspectiva de afluência para a usina no rio São Francisco é de apenas 26% da média histórica para o mês de novembro

O período úmido, que começa este mês dá sinais de que realmente está chegando. Essa foi a notícia dada pelos meteorologistas do Operador Nacional do Sistema Elétrico no primeiro dia da reunião do Programa Mensal de Operação do mês de novembro. A previsão inicial, e que pode ser levemente alterada até amanhã, é de que o Sudeste/Centro-Oeste registre vazões de 92% da média de longo termo, ou seja, 27.708 MW médios e no Sul está projetada vazão de 168% da MLT, ou 15.713 MW médios para o período até 30 de novembro. Já o Norte está com previsão de 63% da média histórica com 1.940 MW médios e a situação só se agrava no Nordeste com a projeção de que a Energia Natural Afluente não passe de 29% da média histórica com 1.607 MW médios.

Inclusive, a preocupação está bastante concentrada na UHE Sobradinho (BA, 1.050 MW) que está com o seu nível de armazenamento em cerca de 5%. Tanto que nessa mesma reunião do mês passado o operador já começava a admitir a possibilidade desse reservatório se exaurir. O ONS já estuda como operar a usina no seu chamado ‘volume morto’, caso ocorra atraso das chuvas. Esse volume começa na cota -9% daquele lago que é o principal da região Nordeste. Outra medida que já está em estudo é baixar novamente a defluência do São Francisco em mais 100 metros cúbicos por segundo, hoje está em 900 metros cúbicos. No Norte, as primeiras sete unidades geradoras de Tucuruí foram desligadas. As demais quatro UGs da segunda fase da usina serão desligadas já este final de semana.
A previsão climática aponta para a já esperada intensificação do El Niño no trimestre que vai de novembro de 2015 a janeiro de 2016, devendo perdurar até o final do verão. Com isso a probabilidade de ocorrência de chuvas deverá ser alta nas bacias do rio Uruguai, baixa no extremo Norte do país e normal nas bacias do rio Paraná.
Com a chegada de novembro a expectativa é de aumento da carga no SIN. Contudo os níveis que deverão ser verificados ainda estão abaixo do que se registrou no ano de 2014. A estimativa é de que a carga mensal para novembro fique em um patamar 0,9% abaixo do verificado no mesmo período de 2014. Se essa previsão se confirmar a demanda deverá alcançar 65.850 MW médios. A previsão para o mês de dezembro é de 65.377 MW médios e com isso é previsto que o consumo consolidado de 2015 alcance 64.121 MW médios, queda de 1,7% na comparação com o ano passado.
Em termos de operação do sistema no mês de outubro, o ONS reportou aos agentes nesse primeiro dia de reunião que há a maximização do sul e de Itaipu. Ao mesmo tempo que a hidrologia no NE é uma das piores já vistas o desempenho das eólicas vai no sentido contrário e teve um novo recorde chegando à geração de 3.700 MW médios. No Sul, também houve recorde de geração eólica. No mês houve o despacho de térmica cujo CVU está acima de R$ 600/MWh e que havia sido desligada pelo governo no início de agosto. Isso para atender a carga naquela região.
A reunião do PMO continuará nesta sexta-feira, 30 de outubro, quando serão apresentados os dados referentes a projeções de armazenamento, bem como o CMO para a semana operativa que começa no dia seguinte, 31 de outubro e se estende até 6 de novembro.