Produção de eólica aumenta 114% no primeiro semestre

Geração média da fonte chegou a 1.840 MW médios e RN aparece como maior produtor

As usinas eólicas brasileiras aumentaram em 114% a produção de energia no primeiro semestre de 2015. De acordo com levantamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, a geração média nos seis primeiros meses deste ano foi de 1.840 MW médios frente aos 860 MW médios alcançados no mesmo período do ano anterior.

O Rio Grande do Norte segue como principal produtor da fonte no país. No primeiro semestre de 2015, as usinas potiguares registraram 650 MW médios de energia, montante 142,6% maior do que o produzido nos seis primeiros meses do ano passado. Na sequência, aparece a Bahia, que triplicou sua geração eólica, com 406 MW médios, crescendo 297%, o Ceará com 362 MW médios, subindo 48% e o Rio Grande do Sul com 287 MW médios, um aumento de 91% em relação ao montante gerado no mesmo período de 2014.

A geração eólica também ganhou mais representatividade na matriz energética brasileira neste primeiro semestre. No fim de junho do ano passado, a fonte era responsável por 1,4% do total gerado de energia no Sistema Interligado Nacional. Atualmente, ela representa 3% de toda a energia produzida.
 
A capacidade instalada das 244 usinas eólicas cadastradas na CCEE chegou a 6.211 MW ao final do primeiro semestre de 2015. O crescimento é de 60%, em relação ao mesmo período do ano passado, quando a capacidade das 156 instalações em operação era de 3.891 MW. Os dados consolidados da CCEE apontam que o Rio Grande do Norte com 2.104 MW, também segue na liderança em capacidade instalada da fonte, seguido por Ceará, com 1.301 MW, Rio Grande do Sul, com 1.300 MW e Bahia, com 959 MW.