CMO médio recua 26,9% com aumento das vazões e recuo de 1,8% na carga

Estimativas do ONS é de que os reservatórios no SE/CO encerrem o mês de julho com 37,1% da capacidade de armazenamento

O custo marginal de operação médio para a semana operativa que se inicia neste sábado, 11 de julho, voltou a recuar na comparação com a semana passada. O valor para quase todos os submercados do país ficou em R$ 230,62/MWh, recuo semanal de 26,9%. A exceção ficou com o Nordeste onde o CMO médio alcançou R$ 280,99/MWh, queda de 10,9% na mesma base de comparação.

Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico, os valores nas três regiões onde o CMO está equacionado ficaram em R$ 237,97/MWh na carga pesada, a média em R$ 235,05/MWh e a leve em R$ 221,98/MWh. Já no Nordeste esses valores foram definidos em R$ 314,63/MWh nos dois primeiros patamares de carga e em R$ 221,98/MWh na carga leve.
Essa redução reflete a perspectiva de cenário mais favorável à energia natural afluente projetada para o mês e divulgada ontem pelo ONS. No SE/CO a projeção é de que a ENA ao final de julho avance para 117% da MLT. No Sul, a previsão é ainda mais elevada com 155% da média histórica. No Norte espera-se um volume de vazões de 90% e no NE está projetada a pior média com 49% da MLT para o mês.
De acordo com o ONS, essa semana deverá apresentar chuva moderada nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu e Paranapanema. Já para a bacia do rio Tietê é prevista precipitação fraca assim como em pontos isolados da bacia do rio Grande.
Com isso a perspectiva do ONS é de que os reservatórios voltem a apresentar um nível acima do que se projetava na semana passada. A maior elevação nessa base de análise é no Sul que poderá fechar o mês de julho com armazenamento máximo esperado de 95,3%, mais de 20 pontos porcentuais acima do que era projetado sete dias atrás. No SE/CO onde está a maior parte da capacidade de retenção de água do país a perspectiva é de encerrar o mês com 37,1% ante os 35,8% estimados anteriormente. No Norte a expectativa foi elevada em 0,7 ponto porcentual para 77,7% e no Nordeste a variação foi mínima, passou de 22,1 para 22% da capacidade existente por lá.
A previsão de carga mensal continua a cair, a estimativa de recuo que estava em 1,1% passou para 1,8%. As demandas no SE/CO e Sul contribuem significativamente para essa estimativa com quedas de 3,7% e 2,7% respectivamente quando comparadas ao mesmo mês de 2014. No submercado NE a expectativa de aumento é de 5,8% e no Norte é de 0,2%.
A geração térmica para a semana é de 14.046 MW médios, a maior parte desse volume, ou 9.780 MW médios dentro da ordem de mérito. Já por garantia energética são 3.647 MW médios, 103 MW médios por restrição elétrica e 515 MW médios por inflexibilidade.
Para checar a evolução do CMO e gerar gráficos com múltiplos parâmetros acesse o Monitor Energia disponível para assinantes do CanalEnergia Corporativo