SIN tem queda de 1,3% na carga em abril, aponta ONS

Comportamento reflete baixo desempenho da indústria nacional, bem como a redução do nível de atividade do setor de comércio e serviços

O Sistema Interligado Nacional registrou carga de 63.894 MW médios em abril, queda de 1,3% na comparação com os valores verificados no mesmo mês do ano anterior. Excluídos os efeitos sazonais, já que abril deste ano apresentou um número de dias úteis inferior a abril de 2014, tem-se uma variação negativa de 1% na carga ajustada em abril de 2015. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 6 de maio, pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico.

O ONS explica que o comportamento da carga no SIN reflete o baixo desempenho da indústria nacional, que vem realizando ajustes no nível de produção, diante do aumento de estoques e da diminuição da demanda interna. “Além disso, observa-se redução no nível de atividade do setor de comércio e serviços”, destaca o documento. Na comparação abril de 2015 com março passado, verifica-se uma queda na carga de 4,1%. No acumulado dos últimos 12 meses, por outro lado, o SIN apresentou uma variação positiva de 1,3% em relação ao mesmo período anterior.

Para o subsistema SE/CO, a carga de energia verificada em abril apresentou decréscimo de 3,1%, em relação aos valores verificados no mesmo mês do ano anterior. Com relação ao mês de março, verifica-se uma variação negativa de 4,1%. A variação negativa é explicada pelo modesto desempenho da indústria, cuja participação na carga industrial do SIN é de cerca de 60%. O efeito calendário também contribuiu para o resultado.

No Sul, a carga de energia em abril caiu 0,9% em relação aos valores do mesmo mês do ano anterior. Com relação a março, verifica-se um decréscimo de 10,6%. Assim como SE/CO, a taxa foi influenciada pelo cenário econômico atual e pelo menor número de dias úteis no mês.

No Subsistema Nordeste, a carga em abril cresceu 5,5% em relação aos valores do mesmo mês do ano anterior. Com relação a março, verifica-se uma variação positiva de 0,4%. O ONS explica que a expansão do consumo de energia nos segmentos residencial e comercial desse subsistema vem sofrendo menor impacto da conjuntura adversa, o que vem contribuindo para o desempenho da carga nesse subsistema.

No Subsistema Norte, a carga em abril caiu 1,9% em relação ao valor do mesmo mês do ano anterior. Com relação ao mês de março, verifica-se uma variação positiva de 1,3%. O comportamento da carga de energia desse subsistema reflete o desempenho da atividade dos grandes consumidores eletrointensivos conectados à rede básica, que detêm uma participação de cerca de 1/3 da carga do subsistema, sendo que 2/3 desses consumidores pertencem ao setor metalúrgico e são voltados, basicamente, para o mercado externo de commodities.