Lucro da ABB sobe 4% no 1º trimestre

Resultado no período foi de US$ 564 milhões

A ABB terminou o primeiro trimestre com US$ 564 milhões de lucro. O valor é 4% maior que o do mesmo período do ano passado. O faturamento ficou em US$ 8,5 bilhões. Os pedidos somaram US$ 10,4 bilhões no trimestre.
 
De acordo com o CEO Ulrich Spiesshofer, a ABB apresentou um sólido primeiro trimestre em que se aumentou o lucro líquido e o fluxo de caixa, em linha com o compromisso de conduzir o crescimento rentável e acelerar a criação de valor sustentável. Para ele, a empresa está vendo os primeiros benefícios da estratégia Next Level, dando a confiança que é possível tirar proveito das oportunidades de crescimento rentável. Ela está reduzindo custos e implementando a reestruturação adicional, para lidar com as incertezas de mercado nos próximos trimestres.
 
Ainda de acordo com a empresa, o total de encomendas recebidas no trimestre foi 15% acima em uma base comparativa, estável em dólares americanos. A valorização do dólar no 1º trimestre de 2015 versus o mesmo período do ano anterior resultou em um impacto negativo de conversão sobre os pedidos relatados de 13% e os desinvestimentos tiveram um impacto de 2%.
 
Os pedidos de base aumentaram em quatro divisões e, em geral, foram constantes em comparação com o primeiro trimestre de 2014. As grandes encomendas aumentaram mais de 100%, lideradas pelas divisões de Sistemas de Potência e Automação de Processos e representaram 23% do total de pedidos em comparação com os 12% no mesmo trimestre de um ano atrás
 
Os moldes de demanda nos três setores de grandes clientes da ABB refletiram as macro incertezas em curso e os desafios na maioria dos mercados. As concessionárias mantiveram-se cautelosas em seus desembolsos de capital, mas continuaram a fazer investimentos seletivos, como na transmissão de energia para ligar as redes e integrar as fontes de energia renováveis. A empresa recebeu um grande pedido para conectar as redes elétricas norueguesa e alemã, além de pedidos de equipamentos de ultra alta tensão de corrente contínua na China e cabos de alta tensão na Dinamarca.