Itaipu e FAO anunciam continuidade em acordo de cooperação

Inclusão a plataforma da FAO de políticas de energias renováveis provenientes de dejetos e biomassas é uma das propostas

O representante da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), engenheiro agrônomo Alan Bojanic, que chefia o escritório da Organização no Brasil, anunciou na última segunda-feira, 31 de julho, em Curitiba, a continuidade do acordo de cooperação com Itaipu e Governo do Estado.

Na ocasião Bojanic elogiou o diretor-presidente brasileiro da Binacional, Luiz Fernando Vianna, e o secretário de Estado da Agricultura, Norberto Ortigara, pela manutenção da parceria com o Estado do Paraná, que permitiu a criação do primeiro escritório descentralizado da entidade no mundo. O novo acordo deve se prolongar até 2020, mantendo o eixo entre FAO, Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento e Instituto Emater. O principal objetivo inicial do escritório é a disseminação de boas práticas voltadas ao desenvolvimento sustentável.

De acordo com o secretário Ortigara, a ideia é fomentar a divulgação de programas que deram certo no estado, como o Água Boa, patrocinado por Itaipu, e de agricultura orgânica. Com a manutenção do termo de cooperação, há uma proposta para incluir na plataforma da FAO políticas de energias renováveis focadas em dejetos e biomassas que serão implantadas no Paraná, disse o secretário.

Em 2013, foi instituída a Unidade de Coordenação de Projetos da FAO no Sul do Brasil, sediada Curitiba, para atuar na sistematização e divulgação de empreendimentos bem-sucedidos para o desenvolvimento sustentável rural. No intuito de angariar conhecimentos e divulgar experiências exitosas do setor, a unidade descentralizada da organização internacional tem parcerias estratégicas na região sul do Brasil com cooperativas, empresas, sindicatos, prefeituras, universidades e entidades não governamentais.

As iniciativas são captadas pelo Escritório Regional e reunidas numa plataforma online de boas práticas que servem como exemplos a serem exportados não só para o resto do mundo, mas também compartilhados com outras regiões do Brasil. Segundo Bojanic, o trabalho busca identificar e divulgar bons modelos no processo produtivo sustentável de alimentos na agricultura.

A plataforma digital cumpre o objetivo em promover o desenvolvimento sustentável através da divulgação de ações que, uma vez tecnicamente comprovadas e avaliadas por professores, profissionais e extensionistas resultem em pontos positivos para a agricultura e o meio ambiente, e sirvam de inspiração na troca de experiências entre nações latino-americanas, africanas, caribenhas e asiáticas.