AES Tietê é autorizada a emitir debêntures incentivadas para financiar modernização de usinas

Processo envolve obras de dez hidrelétricas localizadas em São Paulo para o período entre os anos de 2020 e 2021

A Agência Nacional de Energia Elétrica autorizou o enquadramento de usinas da AES Tetê Energia como projetos prioritários para a captação de recursos destinados à modernização dos empreendimentos, por meio da emissão de debêntures incentivadas. O processo inclui as hidrelétricas Água Vermelha, Bariri, Barra Bonita, Caconde, Euclides da Cunha, Ibitinga, Limoeiro, Nova Avanhandava e Promissão, e a pequena central hidrelétrica Mogi-Guaçu, localizadas no estado de São Paulo.

Os recursos serão destinados à modernização dos empreendimentos no período 2020-2021. O pedido de anuência foi feito pelo AES Tietê em 28 de setembro de 2016. Em 2015, a Aneel já havia aprovado projetos de modernização das mesmas usinas para o período de 2013 a 2019. Segundo a AES Tietê,  dos projetos previstos, três são continuidade de processos já autorizados pela Aneel e os demais são novos projetos.

A modernização das usinas é, na visão da agência, uma medida necessária porque a maioria delas está em operação há mais de 30 anos, e cabe à concessionária fazer a manutenção permanente de equipamentos e instalações das unidades geradoras, para mantê-las em condições adequadas de funcionamento. Além de recursos próprios, a geradora para financiar os projetos, a geradora pretende usar a emissão de debêntures de infraestrutura  para captar recursos com um forma de  alongar o perfil da dívida e  reduzir o custo de capital. A emissão desse tipo de papel está prevista na Lei 12.431, de 2011.