Operação do primeiro bipolo de Belo Monte inaugura LTs de 800 kV no país

Linha tem 2.076 km e passa por 70 municípios, iniciando no Pará e atravessando Tocantins e Goiás até chegar a Minas Gerais

Foi realizada na última quinta-feira (21), no município mineiro de Ibiraci, a cerimônia de inauguração da primeira linha de transmissão de energia elétrica de 800 kV UHVDC – Ultrahigh-Voltage Direct Current – da América Latina, interligando a usina hidrelétrica de Belo Monte (PA – 11.233 MW) à região Sudeste do país, e daí para o Sistema Interligado Nacional. Estiveram presentes no evento os ministros de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e da da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, além do presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr., e do diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico, Luiz Eduardo Barata.

O primeiro bipolo do linhão de Belo Monte em extensão de 2.076 km e passa por 70 municípios, iniciando no Pará e atravessando Tocantins e Goiás até chegar ao sul de Minas Gerais. Os investimentos da Belo Monte Transmissora de Energia (BMTE), SPE controlada pela chinesa State Grid Brazil Holding, chegaram a R$ 5 bilhões. Além da linha, o projeto engloba duas estações conversoras de capacidade de 4.000 MW, dois eletrodos de terra e suas respectivas linhas de transmissão, com 36 km no Pará e 72 km em São Paulo, seis estações repetidoras de telecomunicações e sete centros de manutenção, entre outras instalações associadas.

O empreendimento beneficia 22 milhões de pessoas e reforça a segurança do SIN. Os desafios na fase de construção incluíram trabalhos durante longos períodos chuvosos; passagem por relevo acidentado; locais com dificuldade de comunicação e de acesso – principalmente na selva amazônica paraense, região na qual as torres de transmissão chegam a altura de 109 metros para se sobreporem às árvores –; e transposição de rios, especialmente no Araguaia. A definição do trajeto da LT deu preferência a locais já povoados, para evitar danos ambientais. Na parte técnica, foram adotadas torres de estaiadas e autoportantes, para reduzir desmatamentos.