Acordo com Eletrobras não afeta rating da Eletropaulo, diz S&P Global

Justiça ainda precisa homologar acerto. Caso acordo seja fechado, agência avaliará impactos na alavancagem e liquidez da concessionária

O acordo celebrado entre a Eletropaulo (SP) e a Eletrobras sobre uma dívida de R$ 1,5 bilhão contraída em 1986 e cujo acerto foi celebrado no final da semana passada não afetará imediatamente os ratings da distribuidora paulista, afirmou a S&P Global. Relatório enviado pela agência de classificação de risco na última terça-feira, 13 de março, revelou que a nota não foi imediatamente afetada.

De acordo com a agência, o acordo ainda está sujeito a homologação da justiça, porém o prazo para o fechamento não está certo e a S&P já incorpora esse litígio ao rating da Eletropaulo. Caso o acordo saia, a agência informou que avaliará os impactos na alavancagem e liquidez da empresa, incluindo a folga para as cláusulas contratuais restritivas, considerando o pagamento de R$ 300 milhões e o fato de que ela trataria as obrigações remanescentes como dívida.

O acordo prevê o pagamento de R$ 1,5 bilhão, sendo que R$ 1,4 bilhão vai para a Eletrobras e R$ 100 milhões para advogados, a título de honorários. Após a homologação do acordo, a Eletropaulo pagará R$ 250 milhões à Eletrobras e R$ 50 milhões de honorários, com os R$ 50 milhões restantes sendo pagos em 60 meses. A Eletropaulo vai quitar o montante remanescente em três parcelas anuais no valor de R$ 300 milhões e R$ 250 milhões 48 meses após o primeiro pagamento.