Eletrobras passa a fazer parte do programa de governança de estatais da B3

Elétrica se junta à Petrobras e ao Banco do Brasil, que também aderiram ao programa

A Eletrobras celebrou nesta quarta-feira, 14 de março, sua adesão ao Programa Destaque em Governança de Estatais, uma iniciativa da B3, em evento realizado em São Paulo. Com a inclusão, a companhia se junta à Petrobras e ao Banco do Brasil, que também aderiram ao programa da Bolsa no ano passado.

“Há cerca de um ano e meio não era possível imaginar que nós estaríamos aqui. É quase um sonho”, disse Wilson Ferreira Junior, presidente da Eletrobras.

Segundo a B3, o programa foi criado com o objetivo de companhias estatais aprimorarem suas práticas e estruturas de governança, em quatro grandes frentes: prestação de informações, controles internos, regras para composição da administração e o compromisso do controlador público com o aprimoramento de tais práticas. Assim, a meta é contribuir para a restauração da confiança dos investidores e redução de incertezas, propiciando condições para uma “precificação” mais precisa dos valores mobiliários.

Ferreira voltou a falar da busca pela eficiência operacional da companhia e da importância do sucesso do processo de privatização. Ontem, a Câmara dos Deputados instaurou a Comissão Especial para analisar o processo de privatização. O deputado Hugo Motta (MDB-PB) foi eleito presidente da comissão. O relator será o deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA).

A adesão ao Programa Destaque em Governança de Estatais é voluntária e, para a certificação, as companhias estatais devem, no momento da adesão, implementar todas as medidas de governança corporativa previstas no programa, ou, alternativamente, adotar as 6 medidas obrigatórias e obter, no mínimo, 48 pontos dentre as demais medidas. Nos termos do Programa, a Eletrobras terá 3 anos para implementar todas as medidas de governança.