Eletrobras cai 9,17% em dia de indefinição no MME

Saída da cúpula do ministério e expectativa quanto ao processo de privatização assustaram investidores

As ações ordinárias da Eletrobras despencaram 9,17% no pregão desta sexta-feira, 6 de abril, no pregão da Bolsa de Valores de São Paulo (B3). Os papeis preferenciais classe B (PNB) caíram 8,29% no dia. As ações foram afetadas pela saída da cúpula do Ministério de Minas e Energia e a indefinição sobre os sucessores e a perspectiva quanto ao andamento do processo de privatização da companhia e de reforma do setor elétrico.

A exoneração de Fernando Coelho Filho do cargo de ministro de Minas e Energia foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 6. Quando se encontrou com o presidente Michel Temer, Coelho também entregou a carta de demissão do secretário-executivo, Paulo Pedrosa. A saída dele ainda não foi oficializada no Diário Oficial. Pedrosa era o principal fiador do andamento dos processos no MME.

A desconfiança do mercado gerou a queda das ações da empresa, já que pode haver mudanças no curso da política do setor. Por sua vez, as ações da Petrobras fecharam em alta de 1,03% no caso das ON e 0,61% nas PN.

Do outro lado, a ação ON da Eletropaulo teve forte alta de 12,71% com o anúncio pela Energisa de realização de oferta pública para compra das ações da distribuidora paulista. Há expectativa de novas ofertas pela empresa, como a da Enel, que fez uma proposta diretamente à AES Corp, uma das principais acionistas.

O Ibovespa fechou em baixa de 0,46% a 84.820 pontos e o IEE também caiu 0,46%, marcando 41.627 pontos.