IPCA de março fica com 0,09%

Reajuste tarifário das concessionárias do RJ influenciou no resultado; BH teve maior alta regional, com 2,60%

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo de março teve variação de 0,09%, percentual bem abaixo do resultado de fevereiro, quando obteve 0,32%. Tanto a variação mensal quanto o acumulado no ano (0,70%) representaram o menor nível para um mês de março desde a implantação do Plano Real.

Dentre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, Habitação teve alta de 0,19%, puxada pelas contas de energia elétrica reajustadas e em vigor desde 15 de março pelas concessionárias do Rio de Janeiro, Light e Enel, que aumentaram as tarifas em 9,09% e 21,46% respectivamente. No acumulado de 12 meses, o IPCA recuou 2,68%, depois de registrar 2,84% no ano anterior. Em março de 2017, a taxa ficou em 0,25%.

Segundo o IBGE, as demais áreas apresentaram variação entre -4,69% na região metropolitana de Vitória e 2,60% na de Belo Horizonte, em função dos aumentos e reduções nas alíquotas do PIS/COFINS. Vale lembrar que a bandeira verde está em vigor desde janeiro deste ano, não havendo cobrança de adicional no consumo de energia.

Para o cálculo do IPCA do mês foram comparados os preços coletados no período de 02 de março a 29 de março de 2018, com os preços vigentes no período de 30 de janeiro a 01 de março de 2018. O indicador abarca famílias com rendimento financeiro de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, abrangendo atualmente dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.