Consumo de energia subiu 3,2% em abril, informa CCEE

Impulsionada pelas hidrelétricas, geração de energia foi 3,6% superior ao ano passado; ACL cresceu 7,5%

Dados preliminares de medição coletados entre os dias 1º e 10 de abril indicam crescimento de 3,2% no consumo e de 3,6% na geração de energia elétrica no país, na comparação com o mesmo período do ano passado. As informações constam na mais recente edição do boletim InfoMercado Semanal Dinâmico, da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, que traz dados prévios de geração e consumo de energia, além da posição contratual líquida atual dos consumidores livres e especiais.

Impactado pelo aumento das temperaturas no começo de abril, o consumo no Sistema Interligado Nacional – SIN alcançou 62.552 MW médios nos dez primeiros dias de abril, uma elevação de 3,2% frente ao índice no mesmo período de 2017, quando as temperaturas registradas foram mais amenas do que em abril deste ano.

No Ambiente de Contratação Regulado, no qual os consumidores são atendidos pelas distribuidoras, o consumo foi 1,4% superior, índice que considera a migração de consumidores para o mercado livre. O consumo cresceria 3% no período, caso esse efeito fosse desconsiderado.

Já o consumo no Ambiente de Contratação Livre, no qual as empresas compram energia diretamente dos fornecedores, cresceu 7,5%, número que incorpora as novas cargas.  Quando esse movimento não é considerado na análise, o consumo seria 3,6% superior.

Dentre os ramos da indústria avaliados pela CCEE, incluindo dados de autoprodutores, varejistas, consumidores livres e especiais, os setores de metalurgia e produtos de metal tiveram aumento de 12,1%, assim como veículos, com 11,3% e bebidas, 4,8% também registraram elevação no consumo, mesmo desconsiderando o impacto da migração na análise. Já os maiores índices de retração, no mesmo cenário, pertencem aos segmentos de saneamento e têxtil, ambos com 3,7%, e de serviços, com 3,6%.

Nas primeiras semanas de abril, a geração de energia foi de 66.023 MWmédios, 3,6% superior ao entregue ao SIN em 2017, impulsionada pela produção positiva de 13% das usinas hidráulicas, incluindo as Pequenas Centrais Hidrelétricas. As plantas eólicas e térmicas registraram queda na produção de energia no período, com 34,4% e 23%, respectivamente

O InfoMercado Semanal Dinâmico também apresenta estimativa da produção das hidrelétricas integrantes do Mecanismo de Realocação de Energia – MRE, em abril, equivalente a 102,6% de suas garantias físicas, ou 50.056 MW médios em energia elétrica. Para fins de repactuação do risco hidrológico, o percentual é de 91,3%.