Greve de caminhoneiros começa a afetar suprimento de sistemas isolados

Rondônia já tem regiões sem combustível e 22 cidades do Pará podem ser afetadas

A greve dos caminhoneiros pelas estradas do Brasil começa a afetar o fornecimento de sistemas isolados no país. Em Rondônia, a Eletrobras Distribuição informou em nota oficial que as localidades de Buritis, Machadinho D’Oeste, Campo Novo, Vale do Anari, Costa Marques e Alvorada D’Oeste, já não tem mais combustíveis para manter o fornecimento de energia elétrica. A distribuidora informou que está viabilizando escolta dos caminhões que estão com combustíveis destinados a estas localidades, no intuito urgente de normalizar o fornecimento de energia elétrica a estas regiões.

A nota diz ainda que as cidades de Distrito de Rio Branco, Jacinópolis, Rio Pardo, Cujubim, São Francisco, União Bandeirante, Vista Alegre, Nova Califórnia, Extrema e Triunfo, abastecidas por termelétricas de sistemas isolados, estão sujeitas a racionamento pela impossibilidade de chegada de combustíveis até elas. Segundo a distribuidora, a capital Porto Velho e 90% do estado são abastecidos pelo Sistema Interligado Nacional, o que não dá chance para interrupção no fornecimento.

Na Celpa (PA), os municípios que pertencem a sistemas isolados que são atendidos por 22 UTEs podem ter o fornecimento de energia comprometido, já que também dependem de combustível para gerar energia. As cidades em questão são Anajás, Aveiro, Chaves, Cotijuba, Jacareacanga, Santa Cruz do Arari, Santana do Araguaia, Barreira do Campo, Monte Dourado, Almerim, Oeiras do Pará, Muaná, Porto de Moz, Gurupá, São Sebastião da Boa Vista, Afuá, Alenquer, Terra santa, Faro, Monte Alegre, Juruti e Prainha. A concessionária diz ainda que por conta do desabastecimento e também de pontos de bloqueios em várias rodovias no estado, os prazos de atendimento podem ser comprometidos.

Na CEA, que atende o Amapá, o sistema isolado que a distribuidora atende tem seu suprimento feito por balsas que vem de hidrovias. Por conta disso, a concessionária ainda não tem um plano de ação para a greve dos caminhoneiros.