CPFL Renováveis celebra resultados do Programa Raízes

Aplicado há cinco anos atrás, iniciativa beneficiou direta e indiretamente mais de 1 milhão e meio de pessoas em 90 municípios do Brasil; Investimento total foi de R$ 15,3 milhões

A CPFL Renováveis divulgou o balanço de cinco anos de atuação do Programa Raízes, que direciona investimentos sociais privados a diversas comunidades do país, localizadas onde há empreendimentos da companhia. De acordo com o relatório, em cinco anos de atuação, foram aportados aproximadamente R$ 15,3 milhões em recursos, destinados a prática de 59 projetos que beneficiaram ao todo 23.223 pessoas de forma direta, e indiretamente 1,6 milhão moradores de 90 municípios em seis estados, sobretudo no Ceará, Minas Gerais e Rio Grande do Norte. Atualmente, 23 novos projetos estão em andamento, sendo 11 ligados ao pilar Gerações Futuras, 11 ao Cadeias Produtivas, e um ao Segurança Hídrica.

O programa tem como foco três linhas temáticas: Segurança Hídrica, Compromisso com as Gerações Futuras, e Fortalecimento de Cadeias Produtivas, ambos com objetivo de contribuir positivamente junto as esferas sociais, ambientais e econômicas da sociedade.

Para a gerente de Sustentabilidade Corporativa, Responsabilidade Social e Relações Governamentais da CPFL Renováveis, Christiana de Almeida Costa, a iniciativa apresenta um ciclo substancial de investimento socioambiental, sendo pertinente sua divulgação no dia em que é celebrado o Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil. “Um dos pilares do Raízes é o Projeto Gerações Futuras, que evidencia a importância da data, já que tem como foco o desenvolvimento social e a proteção de jovens e adolescentes das comunidades no entorno dos empreendimentos”, pontuou Christiana.

Entre os destaques do levantamento está o pilar Segurança Hídrica, importante aos moradores da região Nordeste. Através do projeto “Semiárido do Rio Grande do Norte” foi possível ampliar o acesso à água para a produção e consumo de mais de 3.200 moradores de nove comunidades de João Câmara e São Miguel do Gostoso (RN). A iniciativa, que integra inovação tecnológica, fortalecimento de capacidades e gestão comunitária, levou o Prêmio ECO 2017 na categoria Desenvolvimento Local/Relacionamento com as Comunidades, realizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) e também destaque do 24º. Prêmio FIESP de mérito ambiental, em 2018.

Já a campanha “Chega de silêncio!” foi uma ação de mobilização da proposta “Compromisso com as Gerações Futuras”, focado no combate ao uso de drogas e à violência contra crianças e adolescentes residentes de Unaí (MG) e João Câmara, Parazinho e São Miguel do Gostoso (RN). Foram beneficiados mais de 4.400 profissionais e jovens nesses municípios, atingindo indiretamente cerca de 81 mil moradores.

No pilar “Cadeias Produtivas”, o projeto “Cadeia Produtiva do Mel”, favoreceu diretamente 800 apicultores e indiretamente 22 mil pessoas, em 6 municípios da região de Mato Grande (RN), onde há forte concentração de apicultores. A ação teve como objetivo desenvolver habilidades na comercialização do mel e de seus derivados junto aos produtores locais.

Ainda na linha de Cadeias Produtivas, foi realizado a capacitação e assessoria técnica de produtores de leite no distrito de Palmital de Minas (MG), que teve como resultados um aumento em 24% da produção do leite na região, além de melhorias na qualidade do pasto. Nomeado “Fortalecimento da agricultura familiar e da cadeia produtiva do leite”, a iniciativa serviu para capacitar moradores da região por meio de cursos focados em nutrição animal, administração rural, coleta e interpretação de análises de solo, entre outros temas.

Todas ações do Programa Raízes propõem mobilização social, implantação de projetos, planejamento e gestão participativa das comunidades, o que permite agregar uma visão estratégica do negócio, promovendo resultados positivos para a população ao compartilhar valores de sustentabilidade em seus processos operacionais.

Em seu primeiro ciclo 2013-2015, o Programa aplicou R$ 2,9 milhões para apoiar 36 projetos, enquanto no segundo biênio de 2016 a 2018 foram investidos R$ 12,4 milhões, com 37% dos recursos indo para Gerações Futuras, 34% para Cadeia Produtiva e 29% para Segurança Hídrica. Para este ano, ainda estão previstos novos projetos em parceria com a Unicef, Cruz Vermelha, Operação Sorriso e Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (RS).