Governo não quer renovar térmicas a óleo e diesel

Contratos das usinas no Nordeste têm contratos chegando ao fim, principalmente entre 2022 e 2024, e estudo apontará o que deverá ser feito com esses ativos

As discussões acerca da contratação de usinas térmicas na região Nordeste está sob estudo do governo. Uma decisão sobre o tema não foi tomada mas a indicação é de que aquelas usinas mais antigas cujo vencimento de contratos ocorrem entre 2022 a 2024, principalmente, não deverá ser renovado, o que pode abrir espaço para novas centrais que custam menos como as movidas a gás natural, uma vez que essas antigas têm como combustível o diesel e óleo combustível, mais caras e poluentes.
O secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME, Eduardo Azevedo, afirmou após sua participação no Brazil Windpower 2018 que esse burburinho da contratação de mais térmicas foi apenas citado na reunião do CMSE que indicou a necessidade de estudo desse assunto ao avaliar cenários futuros.
“Existe um possível problema de qualidade e de segurança na operação do submercado Nordeste e que precisa ser endereçado. O que vamos fazer é avaliar cenários para verificar a necessidade de termos mais térmicas na operação daquela região ou se já contratamos o necessário para trazer essa segurança que a região necessita”, comentou ele.
Essas térmicas estão com vencimento a partir de 2022, concentrado até 2024. Na avaliação de Azevedo, somadas essas centrais, que possuem esse atributo de trazer segurança no abastecimento da demanda no Nordeste, formam um bloco mais relevante de capacidade instalada. Mas que, individualmente são de menor porte. Por isso, relatou ele, as usinas estão no alvo de estudos que o governo está desenvolvendo para checar o que fazer no futuro. As térmicas que serão contratadas possivelmente no A-6 deste ano não visam atender a esses encerramentos de contratos.
A resposta que o governo procura, disse o representante do governo, é verificar qual a saída para essa capacidade que será descontratada. “A melhor solução é termos mais térmicas, armazenamento ou resposta da demanda? Eu não sei a resposta, mas nossa intenção é de não renovar essas usinas, vamos pensar no que fazer e propor ao novo governo, no limite, se não tivermos a solução até lá, é possível que se possa recontratá-las, mas isso dois anos antes apenas”, destacou.
Ele finalizou ao indicar que o governo quer deixar claro um critério e metodologia de forma clara a refletir a decisão técnica e não política sobre este tema e sobre as perspectivas de leilões futuros.