Leilão de SPEs: Taesa vai brigar por projetos vencidos pela Alupar

Copel GT também precisará aguardar decisão da Fundação Eletrosul sobre direito de preferência

A Taesa informou que vai exercer seu direito de preferência para ficar com os projetos (ou parte deles) que foram vencidos pela Alupar. Na última quinta-feira, 28, a Alupar arrematou o lote M no leilão para venda de sociedades da Eletrobras, com um lance de R$ 78,3 milhões, sem ágio.

O problema é que o Lote M, composto por três empreendimentos, também tem a Taesa como sócia. “Em relação ao lote M, considerando que o vencedor ganhou o lote com o mesmo preço mínimo ofertado pela Taesa, a companhia irá exercer, nos estritos termos do acordo de acionistas, o seu direito de preferência em cada uma das SPEs dentro do prazo de 60 dias, conforme previsto no edital do leilão”, informou a Taesa em nota ao mercado.

O Lote M é composto pelos projetos Transirapé (Eletrobras 24,5%, Transminas 41%, Taesa 24,5% e Alupar 10%) , Transleste (Eletrobras 24%, Transminas 41%, Taesa 25% e Alupar 10%) e Transudeste (Eletrobras 25%, Transminas 41%, Taesa 24% e Alupar 10%), todos localizados em Minas Gerais.

Além do Lote M, a Alupar também levou os lotes K e O (este em consórcio). Já a Taesa arrematou os lotes L, N e P (confira a descrição de cada lote no final o texto).

“Vale ressaltar que a Taesa segue sua estratégia de crescimento com retornos atrativos e seu compromisso com a geração de caixa e disciplina financeira, sempre pautada na geração de valor aos seus acionistas”, concluiu o comunicado.

SINERGIA

A Copel GT arrematou o lote J com um lance de R$ 105 milhões (ágio de 20,35%), o qual compreende 75% da SPE Uirapuru Transmissora de Energia. O empreendimento está em operação comercial e corresponde à LT Ivaiporã – Londrina, composta por 120 km de linha de transmissão e uma RAP de R$ 32,4 milhões.

Segundo a Copel, a linha atravessa dez municípios paranaenses e está localizada próxima a outros empreendimentos da companhia, “o que gerará sinergia na utilização dos recursos para operação e manutenção, proporcionando diluição de custos operacionais para o grupo”. Além disso, companhia também pretende reduzir os custos administrativos com a absorção da gestão do ativo na estrutura já existente no grupo Copel.

A Copel lembra que o resultado do leilão pode ser alterado, pois o edital prevê o direito de preferência dos acionistas que já têm participação no ativo. Assim, a Fundação Eletrosul de Previdência e Assistência Social – ELOS poderá adquirir a participação da Eletrosul nas mesmas condições ofertadas pela Copel no certame ou poderá vender sua participação (tag along) de 25% no empreendimento.

Ganhar e não levar não é uma situação que pode acontecer no caso da Equatorial Energia. A empresa arrematou o lote I, pelo valor de R$ 227 milhões. Como a companhia já era detentora de 51% do ativo, a Equatorial passará a ter 100% do negócio.

LOTE A LOTE

Lote C – O proponente Eólica Serra das Vacas Participações S.A., ofertou proposta de R$ 66.719.887,07 pela geração eólica no estado de Pernambuco, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote F – O proponente J Malucelli Gerenciadora de Projetos e Análise de Risco LTDA., ofertou proposta de R$ 171.301.564,75 pela geração eólica no estado do Rio Grande do Norte, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote H – O proponente Brenannd Energia S.A., ofertou proposta de R$ 232.592.591,87 pela geração eólica no estado da Bahia, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote I – O proponente Equatorial Energia S.A., ofertou proposta de R$ 277.484.856,19 pela Transmissão nos estados do Tocantins e de Goiás, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote J – O proponente Copel Geração e Transmissão S.A., ofertou proposta de R$ 105.000.000,00 pela Transmissão no estado do Paraná, representando ágio de 20,35% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote K – O proponente Alupar Investimento S.A., ofertou proposta de R$ 109.529.752,92 pela Transmissão no estado do Mato Grosso, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote L – O proponente Taesa – Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A., ofertou proposta de R$ 77.995.228,57 pela Transmissão no estado do Mato Grosso, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote M – O proponente Alupar Investimento S.A., ofertou proposta de R$ 78.375.909,74 pela Transmissão no estado de Minas Gerais, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote N – O proponente Taesa – Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A., ofertou proposta de R$ 39.888.097,51 pela Transmissão nos estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote O – O proponente Consórcio Olympus VI, ofertou proposta de R$ 94.874.000,00 pela Transmissão no estado de Mato Grosso, representando ágio de 10% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Lote P – O proponente Taesa – Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A., ofertou proposta de R$ 43.169.452,69 pela Transmissão no estado de Minas Gerais, representando ágio de 0% sobre o preço mínimo do lote indicado no Edital.

Os lotes A, B, D, E e G referentes à geração eólica nos estados Rio Grande do Sul, Piauí e Rio Grande do Norte e os lotes Q e R referentes à transmissão de energia elétrica nos estados Goiás, Amapá e Pará, não receberam propostas.