Cemig exerce preferência em transmissora negociada pela Eletrobras

Lote P contém a Centroeste que recebeu o lance mínimo ofertado pela Taesa, empresa também promoveu restruturação acionária de projetos eólicos

A Cemig manifestou seu interesse em exercer o seu direito de preferência na aquisição da participação societária detida pela Eletrobras na Companhia de Transmissão Centroeste de Minas Gerais (Centroeste), negociada no leilão de SPEs da elétrica federal em 27 de setembro. O lance vencedor do lote P foi dado naquela oportunidade pela sua controlada, a Taesa, no montante de R$ 43.169.452,69 que era o valor mínimo pela participação com referência a 31 de dezembro de 2017.
De acordo com a Cemig, o exercício do direito de preferência se dará nas mesmas condições constantes no Edital do Leilão, sendo que, o valor mencionado acima será corrigido pela variação acumulada da taxa Selic ocorrida entre a data de referência e a data do fechamento da Operação, descontados os dividendos e/ou juros sobre o capital próprio pagos ou declarados em favor da Eletrobras no período.
E acrescenta, “a Companhia esclarece, ainda, que essa aquisição não contrasta com sua estratégia de desinvestimentos que está em curso, dado que representa uma oportunidade pontual de investimento no seu core business, em condições vantajosas para o incremento de seu resultado consolidado”.
Eólicas – Ainda na última quinta-feira, 20 de dezembro, a Cemig comunicou que foram implementadas as condições suspensivas previstas no “Instrumento Particular de Transação e Outras Avenças” celebrado entre a Cemig GT  e a Energimp e que foi celebrado o Termo de Conclusão do Descruzamento de Ativos e Outras Avenças, que levou ao descruzamento das participações societárias detidas conjuntamente pelas partes nas empresas Central Eólica Praias de Parajuru, Central Eólica Volta do Rio e Central Eólica Praia de Morgado, bem como a extinção da parceria societária entre as partes, passando a Cemig GT a deter 100% do capital social de Parajuru e de Volta do Rio, e ficando a Energimp com a totalidade das ações representativas do capital social de Morgado.