Projeto da Copel facilita pagamento para evitar cortes de inadimplentes

Sistema online gera contas em atraso na própria máquina de crédito e débito. Equipes da concessionária evitaram 178 cortes na primeira semana

A Copel está desenvolvendo um projeto-piloto em Curitiba para facilitar o pagamento de contas em atraso e evitar o corte da energia por inadimplência. Mais de 20 equipes de eletricistas que suspendem o fornecimento em domicílios com contas pendentes na cidade estão oferecendo aos clientes a alternativa de pagamento dos débitos por meio de máquinas de cartão, evitando assim o corte.

O sistema funciona online, gerando as contas em atraso na própria máquina que aceita cartões de débito e crédito. Feito o pagamento, o consumidor recebe o comprovante por mensagem de SMS. As máquinas aceitam as bandeiras Master, Visa, Hipercard e Elo, com parcelamento em até 12 vezes.

O presidente da Copel, Jonel Iurk, explicou que a tecnologia está sendo adotada para melhorar a relação com o cliente. “Queremos evitar o transtorno gerado pelo corte. Ao mesmo tempo, trabalhamos na orientação sobre a adoção do débito automático, por exemplo, que hoje é a melhor alternativa para evitar que a conta seja esquecida”, comentou.

O projeto envolve eletricistas próprios e contratados, todos com identificação. Na primeira semana as equipes evitaram 178 cortes no fornecimento, que seriam efetuados caso os consumidores não tivessem quitado os débitos no momento da visita dos eletricistas. A fase de testes do projeto deve durar 90 dias.

As regras sobre serviços de energia elétrica, entre eles a suspensão por falta de pagamento, são estabelecidas pela Aneel, que determina que as distribuidoras avisem aos clientes por escrito, com antecedência mínima de 15 dias, a possibilidade da suspensão de fornecimento por falta de pagamento. Este aviso é veiculado na própria conta de luz, seja ela impressa ou digital, e na prática resulta em cortes realizados, em média, 36 após o vencimento da fatura.

As contas em atraso sofrem acréscimo de multa, juros e correção monetária, cobrados na conta do mês seguinte ao pagamento. Quando o corte é inevitável, o prazo para religação é de até 24 horas para domicílios em área urbana e de até 48 horas para áreas rurais, contadas a partir da baixa do débito junto à Copel, o que ocorre automaticamente.