Copel volta a adiar início da operação comercial da UHE Colíder

Previsto inicialmente para janeiro, projeto deve entrar em operação ao longo deste mês

A Copel comunicou o mercado que espera iniciar a operação comercial da hidrelétrica Colíder (MT-300 MW) nas “próximas semanas de fevereiro”. O projeto está em comissionamento desde 7 de dezembro de 2018 e a expectativa inicial da empresa era que a usina começasse a operar comercialmente ainda em janeiro. Um problema no sistema de movimentação das comportas comprometeu o cronograma.

“Durante os ensaios, após uma intercorrência que obrigou a interrupção dos testes para se proceder uma inspeção na turbina, os ensaios de comissionamento foram reiniciados. Tal ocorrência provocou atraso de alguns dias no cronograma, prorrogando a previsão do início da operação comercial para as próximas semanas de fevereiro de 2019”, diz o comunicado divulgado na última quinta-feira, 31 de janeiro.

A Licença de Operação (LO) para a UHE Colíder foi emitida em 3 de janeiro, expedida pela Secretaria de Meio Ambiente de Mato Grosso (SEMA-MT), o que permitiu a conexão da unidade geradora 1 ao Sistema Interligado Nacional e o início da última fase de operação em teste, antes de entrar em operação comercial, a qual visa garantir a segurança operacional e o perfeito funcionamento da unidade.

A UHE Colíder está localizada no rio Teles Pires, foi arrematada em leilão de energia nova A-5 em julho de 2010 e a previsão era a de iniciar a operação comercial em 2015. São 180 MW médios de garantia física sendo 125 WM médios comercializados no ACR ao preço de R$ 103,40/MWh, pelo prazo de 30 anos. A estimativa inicial de investimentos era de R$ 1,3 bilhão.

A Copel também informou que concluiu com sucesso os ensaios de comissionamento da unidade geradora n°1 da hidrelétrica Baixo Iguaçu (PR-350,2 MW). “Com isso, estamos aguardando apenas a emissão da Licença de Operação (LO) para o início da operação comercial prevista para as próximas semanas de fevereiro de 2019”, diz a empresa.

A companhia ainda conseguiu iniciar a operação em testes da subestação Santa Bárbara do Oeste, pertencente à SPE Mata de Santa Genebra. “A necessidade de implementar correções na lógica de proteção deslocou o início da operação comercial para o mês de fevereiro de 2019.”

A SPE Mata de Santa Genebra tem como sócias a Copel G&T (50,1%) e Furnas (49,9%). A obra é constituída por três linhas de transmissão e subestações associadas, somando cerca de 885 km, atravessando municípios dos Estados de São Paulo e Paraná.