PLD cai 28% no Sul e SE/CO e fica em R$ 339,46/ MWh

Preço sobe no 9% no Nordeste e chega a R$ 178,71/MWh

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica informa que o Preço de Liquidação das Diferenças para o período entre 23 de fevereiro e 1º de março caiu 28% nos submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul ao passar de R$ 472,96/MWh para R$ 339,46/MWh. No Nordeste, o preço subiu 9% ao ser fixado em R$ 178,71/MWh, enquanto permanece no piso de R$ 42,35/MWh no Norte.

A queda do PLD nos submercados Sudeste e Sul ocorre por conta da expectativa mais otimista de ENAs para o Sistema em fevereiro, de 61% da Média de Longo Termo, quando comparadas à previsão da semana passada. Os índices esperados para o período estão em 64% no Sudeste, 86% no Sul, 23% no Nordeste e em 65% da média histórica no Norte. Para março, as afluências para o Sistema são esperadas em 76% da MLT, devendo ficar acima da média no Sul, de 104%.

A carga prevista para a próxima semana deve ficar cerca de 2.155 MW med mais baixa, com redução prevista no Sudeste de 1.900 MW med e Sul, de queda de 650 MW med. Há expectativa de elevação da carga no Nordeste, com aumento de 270 MW med e Norte, crescendo 125 MW med. Já os níveis dos reservatórios do Sistema ficaram cerca de 3.405 MW med mais altos frente à previsão da semana anterior. A elevação foi observada no Sudeste, com alta de 1.835 MW med, Sul, com aumento de 1.155 MW med e Nordeste, que subiu 520 MW med. Apenas no Norte os níveis dos reservatórios devem registrar queda de 100 MW med. O fator de ajuste do MRE previsto para fevereiro é de 146,9% e expectativa do índice em 135,3% para março.

O ESS esperado para o segundo mês do ano está em R$ 236 milhões, sendo R$ 43 milhões referentes à restrição operativa, R$ 135 milhões referentes à reserva operativa de potência e R$ 58 milhões à segurança energética. Para março, a previsão é de R$ 12 milhões, sendo R$ 11 milhões por conta das restrições operativas e R$ 1 milhão referente à reserva operativa. A CCEE ressalta que considerando a atual conjuntura, esta previsão de encargos pode variar.


Fonte: CCEE