Presidente da EPE defende mudança nas regras de GD

Para o executivo, modelo atual cria uma espécie de subsídio cruzado no setor

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral, defendeu em evento em São Paulo a mudança nas regras da geração distribuída, tema que está em discussão no âmbito da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A mudança proposta prevê que o consumidor que deseja gerar sua própria energia pague pela disponibilidade da rede de distribuição.

“Com relação a geração distribuída, é extremamente urgente um desenho de uma transição do gradual do modelo de micro e minegeração, porque é sabido que esse modelo não é sustentável no longo prazo. Na medida em que a gente vê aquele números de 10 GW, 15 GW, 20 GW de geração distribuída, isso tem um efeito de subsídio cruzado na distribuição, que todos nos reconhecemos que precisa ser tratado”, disse o executivo durante evento promovido pelo banco BTG Pactual nesta quarta-feira, 27 de fevereiro.

“Na linha da previsibilidade, é importante sinalizar o quanto antes como vai se dar essa transição e de uma forma gradual, para que a gente não atinja um nível de insustentabilidade que leve a uma ruptura na forma de fazer negócios nesse setor”, completou.