PLD de abril cai 8% no Sul e Sudeste

Carga prevista para a próxima semana deve ficar em torno de 985 MW médios mais baixa

O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para o período entre 30 de março e 5 de abril caiu nos submercados Sudeste, Sul e Nordeste. No Sudeste e no Sul, a redução foi de 8%, saindo de R$ 229,74/MWh e indo para R$ 210,52/MWh. No Nordeste, o preço caiu 74%, saindo de R$ 162,22/MWh para o mínimo de R$ 42,35/MWh, igualando-se ao preço do Norte que se manteve o mesmo em relação à semana anterior.

Segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a redução do PLD é explicada pela verificação de afluências mais otimistas em março, aliada com a expectativa de redução na carga em função da queda esperada nas temperaturas. Os limites de recebimento de energia do Sudeste pelos submercados Norte e Nordeste foram atingidos em todos os patamares, desacoplando o preço. Já os limites de recebimento de energia do Nordeste pelo Norte deixaram de ser atingidos, e os preços destes submercados ficaram iguais.

A carga prevista para a próxima semana deve ficar em torno de 985 MW médios mais baixa, com redução esperada principalmente no Sudeste (-785 MW médios). Já no Nordeste e no Sul a redução deverá ser de 55 MW médios. No Norte, a redução esperada é de 90 MW médios.

Os níveis dos reservatórios do SIN ficaram cerca de 430 MW médios mais altos, principalmente por conta elevações esperadas nas regiões Nordeste (+620 MW médios) e no Norte (+255 MW médios). Já nos demais submercados estão esperadas reduções, sendo no Sudeste (-410 MW médios) e no Sul (-40 MW médios).

O fator de ajuste do MRE (Mecanismo de Realocação de Energia) para o mês de março de 2019 está estimado em 136,6%, e a previsão para abril é de 117,9%. O Encargo de Serviço do Sistema (ESS) previsto para março de 2019 está em R$ 297 milhões, sendo R$ 77 milhões referentes à restrição operativa e R$ 220 milhões referentes à reserva operativa de potência. Para abril de 2019, a previsão é de R$ 62 milhões, sendo R$ 41 milhões referentes às restrições operativas e R$ 21 milhão à reserva operativa. Ressaltamos que considerando a atual conjuntura, esta previsão de encargos pode variar.