ONS: previsão de vazões melhoram e carga desacelera

Custo marginal de operação médio sobe no Nordeste e recua cerca de R$ 25/MWh nos dois maiores submercados do país

A primeira revisão do Programa Mensal de Operação referente ao mês de abril apresentou melhoria na previsão de vazões em quase todo o país. A exceção ficou com o Nordeste, que apresentou queda de 7 pontos porcentuais nas vazões ante a previsão de 55% da média de longo termo da semana passada. No Sudeste/Centro-Oeste houve elevação de 87% para 89% da MLT, no Sul o crescimento mais expressivo para 113% e no Norte para 87% da média histórica.

Por outro lado, a previsão de carga recuou em 0,2 p.p. ante a previsão original de 1,8% de expansão quando comparado ao mesmo mês de 2018. O crescimento de 1,6% está balizado no aumento de 1,6% no SE/CO, de 4,8% no NE e de 1,4% no Norte. No sentido contrário está o Sul com retração de 1,5%.
Com isso, a previsão de níveis operativos dos reservatórios continuam em elevação. A estimativa do Operador Nacional do Sistema Elétrico é de que no SE/CO o índice fique em 44,1% ao final deste mês, o último do período úmido oficial do país. No Sul é esperado 45,5% no NE 55,9% e no Norte 70% do volume útil.
O custo marginal de operação médio recuou para a semana operativa que se inicia neste sábado, 5 de abril. Nos dois maiores submercados do país o valor continua equalizado, mas esta vez cerca de R$ 25/MWh mais baixo. A média semanal está em R$ 176,95/MWh, reflexo da carga pesada em R$ 181,18/MWh a média um centavo a menos e a leve em R$ 172,31/MWh. No NE, a energia saiu do zero e está em R$ 48,40/MWh, por R$ 92,40/MWh nas cargas pesada e média enquanto na leve continua no zero, mesmo valor para todas as cargas no Norte.
A geração térmica programada para a semana a partir do sábado 6 de abril está em 4.907 MW médios. O maior volume é por inflexibilidade com 3.940 MW médios, 674 MW médios por ordem de mérito e outros 293 MW médios por restrição elétrica.