Aumento da eletrificação global ainda precisa de ações objetivas, diz relatório

Documento produzido por organizações como AIE, Irena e Banco Mundial mostra que acesso aumentou nos últimos anos, mas 650 milhões poderão estar sem energia em 2030

Relatório produzido em conjunto pela Agência Internacional de Energia, Agência Internacional de Energia Renovável, Divisão de Estatísticas das Nações Unida, Banco Mundial e OMS mostra que as metas globais de energia definidas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estão aquém de serem cumpridas, mesmo com o grande progresso dos últimos anos.

O relatório mostra que houve um grande progresso no acesso à energia nos últimos anos, com o número de pessoas caindo de 1,2 bilhão em 2010 para cerca de 840 milhões. Índia, Bangladesh, Quênia e Mianmar estão entre os países que mais avançaram. Porém sem ações mais sustentadas e rápidas, 650 milhões de pessoas ainda ficarão sem acesso à eletricidade em 2030. A taxa de eletrificação global chegou a 89% e 153 milhões de pessoas ganharam acesso à eletricidade a cada ano. No entanto, o maior desafio permanece nas áreas mais remotas do mundo e na África subsaariana. Lá, 573 milhões de pessoas ainda vivem no escuro.

O Relatório de Progresso da Energia também mostra que grandes esforços foram feitos para implantar tecnologia de energia renovável para geração de eletricidade e para melhorar a eficiência energética em todo o mundo. Manter e ampliar o ritmo do progresso em todas as regiões e setores exigirá um compromisso político mais forte, planejamento energético de longo prazo, maior financiamento privado e incentivos fiscais e de políticas adequados para estimular a implantação mais rápida de novas tecnologias.

As renováveis representaram 17,5% do consumo  mundial de energia em 2016, contra 16,6% em 2010. As energias renováveis têm aumentado rapidamente na geração de eletricidade, mas têm feito menos avanços no consumo para aquecimento e transporte. É necessário um aumento substancial para que os sistemas de energia se tornem acessíveis, confiáveis e sustentáveis.