Bolsonaro nomeia engenheiro para diretoria técnica de Itaipu

Empregado de carreira há 30 anos na Binacional, Celso Torino assume cargo responsável pela produção de energia

Uma semana após a nomeação do general Luiz Felipe Carbonell para a Diretoria de Coordenação de Itaipu, o presidente Jair Messias Bolsonaro e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, confirmaram o engenheiro Celso Villar Torino, empregado de carreira da Binacional há 30 anos, para assumir a diretoria técnica da usina, cargo diretamente ligado à área final da UHE, a produção de energia.

O quarto diretor de Itaipu nomeado por Bolsonaro substituirá Mauro Corbellini no cargo, sendo o único sem formação militar. É também o primeiro diretor técnico de carreira do lado brasileiro da binacional. A escolha de seu nome aconteceu, principalmente, devido à experiência e competência técnica demonstradas em 30 anos de carreira na usina. A Diretoria Executiva de Itaipu é formada por 12 diretorias, cada uma com seis diretores brasileiros e outra com seis paraguaios. Na margem esquerda da usina, a nomeação dos diretores é uma prerrogativa da Presidência da República e do Ministério de Minas e Energia.

Itaipu foi o primeiro emprego de Celso Torino como engenheiro. Contratado em 1989 como engenheiro especialista em estudos elétricos, Celso trabalhou anteriormente como trainee em Furnas Centrais Elétricas e na empresa privada Geotécnica. Com 12 anos de casa, já em 2001, foi promovido a gerente de Operação da Usina e Subestações. Em 2010, assumia a Superintendência de Operações, um dos cargos-chave da Área Técnica de Itaipu, juntamente com as superintendências de Manutenção, de Obras e de Engenharia de Projetos. Era nesse cargo que estava ao ser convidado a assumir a Diretoria Técnica Executiva.

Paulista de Piquete, Celso Villar Torino, além de técnico em eletrônica pelo COTEC/Unesp, é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro, e tem especialização pela UFBA/Eletrobras em Automação de Sistemas Elétricos de Potência. Ao seu currículo, soma-se um MBA Executivo Internacional pela USP/FIA. “É uma honra poder servir ao meu país e ao Paraguai nessa função. Agradeço a confiança em mim depositada pelo general Silva e Luna, pelo ministro de Minas e Energia e pelo nosso presidente”, comentou o novo diretor.

Conquistas

Na Superintendência de Operação, as principais responsabilidades são a produção de energia e a segurança operacional da hidrelétrica. Entre as atividades mais importantes, destacam-se o planejamento, a coordenação e a gestão da produção de energia da usina e da segurança operacional de suas instalações, dentre elas as subestações e o sistema de transmissão de Itaipu.

Durante os nove anos à frente do cargo, Torino se orgulha da UHE ter conquistado, em dois anos – 2014 e 2018 -, o melhor desempenho operacional nos 35 anos de operação. Ele também ressalta o recorde mundial de geração de energia, em 2016, quando a usina produziu 103,1 milhões de MWh. Em 2012, com 98,3 milhões de MWh, e em 2013, com 98,6 milhões de MWh, Itaipu já havia batido o recorde mundial de produção, mas a produção de 2016 permanece como recorde. Contudo seu maior orgulho foi ter contribuído para a maior produção acumulada de energia do mundo, quando a binacional ultrapassou a geração de 2,6 bilhões de MWh, marca que dificilmente outra usina do mundo irá alcançar.

O engenheiro também foi um dos responsáveis por implantar em Itaipu a estratégia “Dança com as Águas”, em 2011, com base nos conceitos da Teoria das Restrições, cujo foco era elevar a performance da produção de energia da hidrelétrica, considerando conceitos sustentáveis de segurança das pessoas, do meio ambiente e da própria usina. Uma estratégia que deu tão certo que, nos anos seguintes, foram conquistados sucessivos recordes de produtividade e também de produção, com melhor aproveitamento do insumo mais escasso, a matéria-prima água, para a geração de energia.