Engie recebe incentivos fiscais para parque eólico na Bahia

Ministério confirmou enquadramento de onze usinas junto ao Reidi, num total de 361,2 MW de potência instalada e cerca de R$ 1,5 bilhão milhões em investimentos sem encargos. Projeto de transmissão da Eletronorte também é aprovado

A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia deu provimento a Engie Brasil Energia e enquadrou onze centrais de geração eólica junto ao Regime Especial para o Desenvolvimento da Infraestrutura (Reidi), segundo despachos publicados no Diário Oficial da União (DOU) e no portal do MME. O Reidi prevê a isenção de PIS/PASEP e Confins na aquisição de bens e serviços para empreendimentos de infraestrutura. Com a confirmação, o valor total de investimento para os projetos, livre de taxas, é de aproximadamente R$ 1,5 bilhão para 361,2 MW de capacidade instalada.

Segundo o informe, foram confirmadas as usinas Campo Largo VIII (33,6 MW) e IX (25,2 MW), em Umburanas, Bahia; e Campo Largo XI (16 MW), XII (54,6 MW) XIII (42 MW), X (33,6 MW) , XIV (21 MW), XVII (29,4 MW), XX (37,8 MW), XIX (33,6 MW) e XXII (33,6 MW), todas em Sento Sé, também na Bahia. O período de execução das obras vai de junho deste ano até julho de 2021.

O MME também aceitou a solicitação da Eletronorte e enquadrou um projeto de reforços em subestações de energia da concessionária na capital do Maranhão, São Luís, e em Sorriso, no Mato Grosso e Ariquemes e Jí-Paraná, em Rondônia. As obras nas SEs São Luís II, Sinop, Ariquemes e Ji-Paraná vão até junho de 2021 e irão angariar cerca de R$ 47,4 milhões em recursos, sem levar em consideração a incidência dos encargos.