Carga de energia tem corte de 489 MW médios para 2019

Previsão de crescimento no ano caiu para 2,7%, ante uma variação estimada em 3,4%

 A lenta recuperação da atividade econômica segue impactando negativamente o desempenho do consumo de energia elétrica no Brasil. Dados divulgados nesta quarta-feira, 24 de julho, apontam que a previsão de crescimento da carga de energia neste ano caiu para 2,7%, ante uma variação positiva esperada em 3,4%.
Em montantes de energia, a carga que estava inicialmente prevista para ser de 68.827 MW médios ficou em 68.338 MW médios (-489 MW médios). Os números foram divulgados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (ONS) e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE).
“A queda na previsão da carga reflete o ritmo abaixo do esperado para a recuperação da economia. A projeção de crescimento do PIB em 2019 passou de 2,2% para 0,9%. O cenário macroeconômico pós 2020 foi mantido”, disse o ONS em nota divulgada à imprensa. A soma do corte acumulado entre os anos de 2020 e 2023 representou uma redução de 2 GW médios na carga de energia do país.
As principais premissas da 2ª Revisão Quadrimestral da Carga para o Planejamento Anual da Operação Energética 2019-2023 considerou que a situação fiscal do país será um limitante para a recuperação do crescimento econômico; os investimentos mais significativos deverão ocorrer nos próximos anos, com destaque para o setor de infraestrutura.
 Clique aqui para ver a íntegra do relatório.