Golar prevê forte disputa no leilão A-6

Empresa tem projetos de térmicas no Pará e no Sergipe inscritos no certame

A Golar Power prevê uma forte disputa no próximo leilão de energia A-6, que será realizado em outubro. A empresa, que já tem a UTE Porto de Sergipe (SE- 1.500 MW) está com três projetos cadastrados no certame. Um fica localizado no Pará, na cidade de Barcarena e tem potência de 609 MW, enquanto os outros dois ficam no Sergipe e tem capacidade de 1.200 MW e 600 MW. “São 52 projetos, vai ter muito disputa”, explica Celso Silva, vice-presidente executivo da Golar Power.

Ele define o projeto da térmica que foi viabilizada no leilão A-5 de 2015 como desafiador. Silva conta que por ser um projeto pioneiro, havia a necessidade de se falar com vários órgãos fiscalizadores e reguladores, que pediam autorizações uns dos outros acerca do empreendimento. “Essas legislações devem ter um alinhamento”, comenta. A empresa aposta na abertura do mercado de gás, com uma previsão de oferta de Gás e GNL muito boas, além da desverticalização do mercado. “O momento é muito propício”, comemora.

Além do terminal de GNL no Sergipe, há um projeto licenciado na bacia de Babitonga, em Santa Catarina, na cidade de São Francisco do Sul. O Terminal Gás Sul depende da chamada pública das distribuidoras e dos supridores que ofertaram o gás  para elas usando esse terminal. Embora esse terminal possa abastecer uma térmica da Engie na região, ela não é determinante para o desenvolvimento do terminal.

A Golar está trazendo para o Brasil caminhões movidos a GNL para um piloto no Brasil. Na China, já são 250 mil. Os veículos ainda precisam de autorizações de agências e órgãos competentes para serem homologados. “Trouxemos isso para mostrar que funciona”, avisa.

A empresa também comprou cinco navios de transporte de pequena escala sem contrato para atendimento no mundo. Ele pegaria a carga do navio maior que traz o GNL para o terminal e o transportaria para outras localidades. A expectativa do executivo é que algum desses navios venha para o Brasil para atender demandas de outros estados, além do Sergipe. Esse serviço já estaria disponível a partir do ano que vem.