Projeto de 676 MW da Renova é cancelado

Acordo era com a Cemig-GT para construção de 25 parques, que entrariam em operação a partir de janeiro de 2019

Um contrato entre a Cemig-GT e a comercializadora da Renova, a Renova Com para a construção de 25 parques eólicos no município de Jacobina e que teria 676,2 MW de capacidade instalada para o mercado livre não sairá do papel. O projeto estava previsto para entrar em operação em janeiro de 2019 por meio de um PPA com a estatal mineira, que é a controladora da Renova.
Em comunicado publicado na noite de terça-feira, 14 de junho, a Renova destaca que o cancelamento reduz de forma significativa a necessidade de investimentos bem como melhora a posição de liquidez da companhia. E que essa medida visa redimensionar o portfólio de negócios da empresa otimizando investimentos e readequando sua estrutura de capital.
Com essa decisão, a Renova volta a ter pouco mais de 1,4 GW em capacidade instalada contratada na fonte eólica. São os Complexos Alto Sertão I (293,6 MW), o Alto Sertão II (386,1 MW) e outros 355 MW no município de Umburana, todos na Bahia. Há ainda o Alto Sertão III – Fase A com 411 MW que ao final de março estava em fase final de implantação. A empresa ainda atua na fonte PCH e está iniciando na solar, após a parceria com a SunEdison e a TerraForm Global não ter avançado para a segunda fase.