São Paulo quer apresentar plano energético em junho de 2017

Gás natural é considerado o insumo de transição para as energias renováveis e deverá ser fomentado nos próximos anos

O Conselho Estadual de Política Energética de São Paulo (Cepe), responsável por elaborar o Plano Paulista de Energia (PPE), realizou na última terça-feira, 22 de novembro, na sede da Secretaria de Energia e Mineração, mais uma reunião que visa estabelecer o novo PPE tendo o ano de 2030 como horizonte. O presidente do Cepe e secretário estaduial de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, disse que a meta do Conselho é apresentar o novo Plano Paulista de Energia em junho do ano que vem. “Os seis comitês técnicos estão trabalhando desde abril e em mais seis meses poderemos apresentar o novo PPE”.

O principal tema do encontro foi o gás natural, insumo identificado como energia de base para a transição da matriz para as energias renováveis. O representante da secretaria no comitê técnico VI – Petróleo e Gás, Dirceu Abrahão, apresentou um panorama atual do potencial de produção de gás no Brasil e detalhou as potencialidades do insumo no Estado de São Paulo.

O comitê técnico projetou para 2029 a expansão de gás canalizado no Estado de São Paulo, que prevê dobrar o número de municípios atendidos, passando dos atuais 143 para 285, o que compreenderia 44% das cidades paulistas, atendendo 5,2 milhões de clientes. Esse crescimento demandaria um investimento por parte das distribuidoras de R$ 12,8 bilhões nos próximos anos. Com esses recursos a atual rede de distribuição passaria dos atuais 16 mil quilômetros para 45 mil nos próximos 13 anos, atingindo o consumo de mais de 18 milhões de metros cúbicos de gás por dia no Estado.