Lucro da Engie Tractebel avança 8,5% para R$ 1,5 bi em 2015

Volume de energia vendida pela empresa caiu 2,9% para 4.111 MW médios

A Engie Tractebel Energia anunciou um lucro líquido de R$ 1,5 bilhão no ano de 2015, um valor 8,5% acima do reportado em 2014. O resultado ebitda (antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 3,114 bilhões, crescimento de 7,6% na mesma base de comparação, sendo que a margem ebitda ficou em 47,8%, um avanço de 3,1 pontos porcentuais quando comparado ao fechamento do ano passado. A empresa atribui o crescimento de seu lucro líquido, sobretudo à estratégia de alocação de energia e ao resultado das transações na CCEE.

A receita líquida de vendas da geradora somou R$ 6,512 bilhões, um leve aumento de 0,6% ante o ano anterior. Já o preço médio de venda de energia líquido das exportações e dos tributos sobre a receita foi de R$ 171,37/MWh, um patamar 14,9% superior ao reportado em dezembro de 2014. Essa elevação de preços, afirma a Tractebel, decorre dos reajustes de preços dos contratos vigentes e os maiores preços praticados nos novos contratos. No ano os consumidores livres representaram 48,8% das vendas da Tractebel e 47,3% da receita líquida de vendas.
O volume de energia vendida pela empresa somou 36.013 GWh (4.111 MW médios) um volume 2,9% menor do que no ano de 2014. Já a produção de energia nesse período foi de 47.622 GWh (5.436MW médios) um volume 2,7% menor do que no ano anterior. A empresa justifica essa retração em decorrência da menor afluência na região norte do país, que impactaram as UHEs de Estreiro e de Cana Brava. Além disso, contribuíram para o recuo os processos de modernização das usinas de Salto Santiago, Passo Fundo e Ponte de Pedra. A energia hidrelétrica foi responsável por 39.723 GWh ou 4.534 MW médios.
A dívida bruta da empresa estava ao final de dezembro em R$ 3,758 bilhões, retração de 5,8% ante 12 meses antes. Já a dívida liquida da empresa fechou o ano em R$ 1,214 bilhão, um montante 45,7% menor do que os R$ 2,237 bilhões do final de 2014. No ano de 2015 o resultado acumulado das transações no mercado de curto prazo, incluindo as realizadas na CCEE, saiu do campo negativo de R$ 136,2 milhões para o positivo em R$ 235,7 milhões.
Os investimentos da Tractebel no ano de 2015 somaram R$ 917,3 milhões sendo utilizados em construção, manutenção, revitalização e na aquisição de projetos. A construção de projetos eólicos, térmicos e da usina solar fotovoltaica demandou R$ 493,6 milhões e elevará a capacidade de geração da empresa em 11% nos próximos quatro anos. Já manutenção ficou com R$ 222,9 milhões, em modernização foram destinados R$ 134,5 milhões e em aquisições foram R$ 66,3 milhões.
Já referente aos três últimos meses do ano o lucro líquido da Tractebel avançou 24,4% para R$ 599,7 milhões, ou mais de um terço do resultado anual da companhia. Nesse mesmo período a receita líquida de vendas recuou 1,1%, para R$ 1,709 bilhão. Já o Ebitda somou R$ 967 milhões, um avanço de 9,4% e a margem ebitda ficou em 56,6%, 5,4 pontos porcentuais acima do reportado no mesmo período do ano anterior.
De outubro a dezembro, a produção de energia recuou 0,6%, para 5.902 MW médios e a energia vendida nesse período deste ano caiu 5,5% com 4.099 MW médios. Já o preço médio de venda nesses três meses ficou em R$ 175,26/MWh.
A empresa anunciou ainda que o conselho de administração aprovou o aumento de capital da companhia em R$ 290,487 milhões sem a emissão de novas ações. Essa medida, justificou a geradora teve por finalidade atender o previsto no artigo 199 da lei 6404/76, pois as reservas de lucros ultrapassaram o montante do capital social e possui ainda o intuito de fortalecer o capital da empresa face aos investimentos previstos nos próximos anos.