Gerdau anuncia joint venture para atender setor eólico

Empresa aponta perspectivas favoráveis para o fornecimento de aços especiais para a construção de torres

A siderúrgica brasileira Gerdau anunciou na tarde desta quarta-feira, 17 de janeiro, que iniciou um processo de formação de joint venture para atender a demanda por aço do setor eólico no país a partir de 2017. Como sócios nesse empreendimento a companhia terá as japonesas Sumitomo e Japan Steel Works (JSW). A meta da nova empresa é de fornecer aços especiais para a produção das peças para as torres de geração eólica e incluem o eixo principal, rolamentos da pá e rolamentos da torre.

O investimento previsto é de cerca de R$ 280 milhões e esses recursos serão utilizados para a aquisição de equipamentos. A fábrica ficará nas dependências que a Gerdau já dispõe no município de Pindamonhangaba (SP). A participação da brasileira nessa JV não foi indicada, mas deverá ser superior a 50%, já a parcela do capital das outras sócias ainda deverá ser definido no momento do fechamento da operação.
No comunicado publicado na Comissão de Valores Mobiliários, a siderúrgica argumenta que as perspectivas para o setor eólico no Brasil são promissoras ao citar dados da ABEEólica e do PDE que aponta para o alcance de 24GW de capacidade instalada no país em 2024 ante os atuais 8 GW que o Brasil já possui.
Nessa unidade a Gerdau ainda planeja produzir cilindros para a indústria do aço e do alumínio, um mercado no qual já atua. No total a fábrica terá uma capacidade 50 mil toneladas de peças por ano. O fechamento dessa operação ainda depende da análise e da aprovação pelos órgãos competentes.