Expansão da transmissão aponta para R$ 31 bilhões em investimentos até 2020

EPE publicou atualização do PET com a inclusão de mais de 17 novas subestações e cerca de 7.800 km de novas linhas

A Empresa de Pesquisa Energética publicou na semana passada a atualização do Programa de Expansão da Transmissão (PET), relatório que contém a relação de obras de expansão do Sistema Interligado Nacional previstas no horizonte 2015/2020, mas que ainda não foram licitadas ou autorizadas. Nesse período, o governo pretende contratar 20 quilômetros de linhas de transmissão e mais 60 subestações ou novos pátios, que exigirão, respectivamente, R$ 25 bilhões e R$ 6 bilhões em novos investimentos. As obras contemplam novas instalações, ampliações ou reforços na rede básica abrangendo os quatro subsistemas elétricos do país.

Segundo a EPE, em relação ao PET divulgado em março de 2015, houve a inclusão de mais de 17 novas subestações ou pátios e cerca de 7.800 km de novas linhas de transmissão, demandando investimentos estimados em R$ 18 bilhões. Por outro lado, houve a exclusão de 11 novas subestações e cerca de 3.400 km de linhas, objetos de licitações em leilões realizados entre novembro de 2014 e janeiro de 2015, totalizando investimentos de 4,1 bilhões.

A partir dessa edição, a EPE passa a publicar o PET junto com o Plano de Expansão de Longo Prazo (PELP). Enquanto o primeiro relatório contempla as obras no horizonte dos 6 primeiros anos, o segundo trata das obras no horizonte do sétimo ano em diante (a partir de 2021). Segundo a EPE, o objetivo foi propiciar uma visão integralizada do planejamento setorial aos agentes do setor elétrico. Clique aqui para conferir os detalhes das obras do PET e do PELP.