Reservatórios no NE seguem pressionados e podem chegar a 8,9% no fim de outubro

Previsão de chuvas para o mês recua no Sudeste/Centro-Oeste e aumenta 22 pontos porcentuais no sul do país

A revisão semanal que o Operador Nacional do Sistema Elétrico aponta uma retração nos níveis de Energia Natural Afluente no Sudeste/Centro-Oeste para o final do mês de outubro. A nova projeção está em 85% da média de longo termo ante uma expectativa de 98% da MLT apontada na semana anterior. No Sul e no Norte a expectativa de vazões aumentou. Passou de 104% da média histórica para 126% e de 67% para 73% da MLT, respectivamente. No Nordeste a situação continua inalterada, com a perspectiva de apenas 42% da média histórica de 85 anos.

Como resultado dessa revisão, a expectativa do ONS aponta para um maior nível de deplecionamento dos reservatórios no Nordeste. Na semana passada, a perspectiva de redução do nível dos lagos daquela região deve-se à perspectiva de um aumento da demanda diante da elevação das temperaturas no país. Inclusive, já considera até mesmo que a UHE Sobradinho poderá secar caso o cenário hidrológico se mostre pior do que o esperado.
A previsão que era encerrar o mês com 9,5% da capacidade de armazenamento caiu ainda mais e agora é esperado o uso de apenas 8,9% dos lagos da região ao final desse período. No Sudeste/Centro-Oeste a estimativa revisada acompanha a perspectiva de queda da afluência, podendo chegar em 27,7% ante os 28,9% projetados na semana passada. No Sul, a tendência de acompanhamento da ENA é a mesma com um avanço de 82,2% para 89,5%. Apesar de aumento das vazões, no Norte a expectativa é de recuo no nível de armazenamento, passando de 27,7% para 27,3% ao final do mês.
O CMO médio continuou equalizado em todas as regiões do país em R$ 202,38/MWh, um aumento de 5,9% na comparação com a semana passada. O valor para o patamar de carga pesado para a semana operativa que se inicia neste sábado, 3 de outubro, está em R$ 210,72/MWh, a carga média em R$ 208,74/MWh e a leve em R$ 190,65/MWh.
A nova projeção de carga aponta para uma retração 0,1% maior em comparação com a semana anterior. A previsão é de queda de 3,1% na comparação com o mesmo período do ano passado, devendo ficar em 65.051 MW médios. A projeção para o SE/CO segue inalterada com recuou de 5%, no Sul a queda passou para 5,8%. Nos dois outros submercados há expectativa de crescimento, no NE de 1%, mesmo índice da semana passada e no Norte avançou de 7,1% para 9,2%. Essa disparada no consumo da região Norte deve-se à integração de Macapá ao SIN, que ocorreu em 13 de setembro.
A geração térmica para a semana está prevista em 14.021 MW médios. A maior parte, 8.481 MW médios por ordem de mérito, 5.091 MW médios por garantia energética, 383 MW médios por inflexibilidade e 66 MW médios por restrição elétrica. A previsão do tempo indica que deverá ser registrada chuva de intensidade fraca a moderada nas bacias do rio Jacuí, Uruguai, Iguaçu, Paranapanema, Tietê e Paraíba do Sul. E ainda, precipitação de intensidade fraca nas bacias dos rios Grande, Paranaíba, e no Alto São Francisco. Na bacia do Tocantins a previsão indica a continuidade das pancadas de chuva.
Para checar a evolução do CMO e gerar gráficos com múltiplos parâmetros acesse o Monitor Energia disponível para assinantes do CanalEnergia Corporativo