Tarifa de energia fica mais alta em Santa Catarina

Energia entregue pela Celesc ficará, em média, 3,61% mais cara a partir de 7 de agosto

A tarifa de energia da Celesc ficará, em média, 3,61% mais cara a partir de 7 de agosto. A elevação é o resultado do reajuste tarifário anual da concessionária de 2015, aprovado pela diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica nesta terça-feira, 4 de agosto.

Segundo a Aneel, o aumento médio a ser percebido pelos consumidores residenciais será de 3,63%, enquanto a percepção dos consumidores industriais será de 3,59%. A Celesc atende a 2,7 milhões de unidades consumidoras localizadas em 260 municípios de Santa Catarina e um do Paraná (Rio Negro), que representa um faturamento anual de R$ 6 bilhões. Lembrando que a Celesc já passou por uma Revisão Tarifária Extraordinária em 27 de fevereiro deste ano, que elevou as tarifas, em média, em 24,8%. Dessa forma, somados os dois reajustes, a tarifa de energia dos consumidores catarinenses aumentou, em média, 28,41% em 2015.

Ao calcular o reajuste, a Aneel considera a variação de custos que a empresa teve no ano. O cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M, e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada, encargos de transmissão e encargos setoriais.

No caso da Celesc, a elevação dos encargos setoriais foi o item que mais impactou as tarifas de energia, com destaque para os custos com a Conta de Desenvolvimento Energético. Houve também a inclusão da Conta-ACR – que trata-se do recolhimento de recursos para cobrir as despesas incorridas com a contratação de empréstimo para cobrir a exposição involuntária das empresas e os custos com a geração térmica em 2014.