ONS: Carga no SIN cai 3% em maio já impactada por elevação de tarifas

Baixo desempenho da indústria, queda na temperatura e redução no nível de atividade do setor de comércio de serviços também influenciaram na queda da carga de energia

A carga de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional em maio apresentou variação negativa de 3% em relação aos valores verificados no mesmo mês do ano anterior. Com relação ao mês de abril, verifica-se um decréscimo de 4,6%. No acumulado dos últimos 12 meses, o SIN ainda apresentou uma variação positiva de 0,8% em relação ao mesmo período anterior, segundo informações do Boletim de Carga Mensal, divulgado nesta quarta-feira, 3 de junho, pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico.

De acordo com o ONS, o comportamento da carga reflete o baixo desempenho da indústria, a queda na temperatura, a redução no nível de atividade do setor de comércio e serviços e a elevação das tarifas de energia elétrica. "A elevação das tarifas de energia elétrica já vem se refletindo nos padrões de consumo de energia, contribuindo para a redução da carga principalmente nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul onde o impacto é maior", destacou o operador.

A carga de energia verificada em maio apresentou decréscimo de 6,0% no subsistema SE/CO na comparação anual. Com relação ao mês de abril, verifica-se uma variação negativa de 6,0%. No acumulado dos últimos 12 meses, o Sudeste/Centro-Oeste apresentou uma variação negativa de 0,5%, em relação ao mesmo período anterior. No Sul, a carga verificada em maio indica variação negativa de 3% na comparação anual. Com relação a abril, verifica-se um decréscimo de 4,8%. No acumulado dos últimos 12 meses o Sul apresentou um crescimento de 2,5% em relação ao mesmo período anterior. Nesses dois subsistemas, as taxas foram influenciadas pelo cenário econômico atual e pela “redução da carga de energia que já começa a ser observada em virtude de alteração nos padrões de consumo decorrentes do aumento das tarifas de energia elétrica”.

No Subsistema Nordeste, os valores de carga de energia verificados em maio indicam crescimento de 6,7%, em relação aos valores do mesmo mês do ano anterior. Com relação a abril, verifica-se uma variação negativa de 1,7%. No acumulado dos últimos 12 meses o Nordeste apresentou um crescimento de 4,3%, em relação ao mesmo período anterior.  “A expansão do consumo de energia nos segmentos residencial e comercial desse subsistema vem sofrendo menor impacto da conjuntura adversa, o que tem contribuído para o desempenho da carga desse subsistema.”

No subsistema Norte, a carga de energia verificada em maio indica uma variação nula tanto na comparação anual quanto em relação ao mês de abril. No acumulado dos últimos 12 meses, o Norte apresentou uma variação positiva de 0,6%, em relação ao mesmo período anterior, influenciada pela interligação ao SIN do sistema Manaus a partir de julho de 2013. O comportamento da carga de energia desse subsistema reflete o desempenho da atividade dos grandes consumidores eletrointensivos conectados à rede básica, que detêm uma participação de cerca de 1/3 da carga do subsistema, sendo que 2/3 desses consumidores pertencem ao setor metalúrgico e são voltados, basicamente, para o mercado externo de commodities. “Merece destaque a permanência em níveis reduzidos da carga de consumidores livres eletrointensivos do setor de metalurgia.”