Ciel et Terre Brasil aposta na infraestrutura presente para instalar flutuadores solares em reservatórios

Por aproveitar conexão já existente das UHEs, joint venture já vê boa procura pelos equipamentos

Planejando terminar o ano com até 10 MW contratados, a Joint Venture formada entre a brasileira Sunlution e francesa Ciel et Terre não quer apenas dotar de flutuadores solares os reservatórios das hidrelétricas do Brasil. A Ciel et Terre Brasil quer aproveitar as vantagens de infraestrutura já existentes nessas instalações para que as operações da geração solar possam ser otimizadas. Orestes Gonçalves, sócio diretor da Sunlution e da Ciel et Terre Brasil, quer aproveitar essas especificidades nas negociações de contratos. "Você tem a vantagem de já ter a infraestrutura pronta, não precisa esperar por uma transmissão ou subestação, como algumas eólicas. A solar já consegue executar uma usina em seis meses. Pode ser que dê para criar até um leilão A-2", afirma.

Ainda sem contratos fechados, o executivo conta que está tendo uma procura expressiva por projetos no curto prazo. O uso de flutuadores em reservatórios já é realidade em países da Europa e no Japão. A Ciel et Terre International fabrica o sistema de energia solar flutuante Hydrelio. O anúncio feito pelo ministro Eduardo Braga no último mês de março, que pretende dotar o reservatório da UHE Balbina com até 350 MW em flutuadores solares despertou a curiosidade do mercado. Gonçalves conta que os painéis são colocados sobre um flutuador plástico e são conectados com os inversores em um contêiner na área de terra. "Você consegue colocar o painel sobre a lâmina d’água e ao mesmo tempo consegue gerar energia", explica.

Inicialmente importados, o executivo espera que a demanda contratada seja suficiente para que os próximos equipamentos sejam produzidos aqui. Isso traria o preço dos flutuadores para o mesmo patamar de uma placa fotovoltaica convencional. O flutuador não tem isenção de impostos como PIS/ Cofins, IPI e ICMS. "Trazendo para cá, o preço deve ficar próximo da estrutura metálica", avisa. Ainda segundo Gonçalves, a energia de um megawatt vinda de um flutuador custaria sem a isenção de impostos cerca de seis milhões de reais.

O equipamento solar também consegue reduzir a evaporação do reservatório em até 70%. Ele faz com que seja possível despachar a energia solar e acumular a água do reservatório para ser despachada no período seco. A inclinação das placas, em doze graus, é considerada ideal para uma melhor produtividade. O aparato solar também pode ser usado em terrenos de aterros e em telhados de galpões de indústrias e comércio. Estudos feitos pelo Ministério de Minas e Energia indicam que há um potencial de mais de 15 mil MW nos reservatórios das hidrelétricas brasileiras.