BYD vai implantar primeira fábrica de paineis fotovoltaicos no país

Empresa vai investir R$ 150 milhões em unidade. Até 2017, grupo pretende investir R$ 1 bilhão no Brasil

O presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, David Barioni Neto, e a vice-presidente do Grupo BYD, Stella Li, anunciaram na última terça-feira, 19 de maio, investimentos de R$ 150 milhões para instalação da primeira fábrica de painéis solares fotovoltaicos no Brasil. A meta da empresa é produzir 400 MW de painéis solares por ano. Na ocasião, a Apex e a BYD assinaram um memorando de entendimento para oficializar o investimento.
 
A empresa vai instalar também um centro de pesquisa e desenvolvimento com foco em estudos e tecnologias para veículos elétricos, baterias, smart grid, energia solar e iluminação. Até 2017, o Grupo BYD pretende investir R$ 1 bilhão no Brasil. Para o diretor de relações governamentais da BYD Brasil, Adalberto Maluf, o investimento em painéis solares inaugura uma nova fase da energia limpa. Ele conta que será trazido uma tecnologia de ponta, chamada de double glass, que significará paineis solares fotovoltaicos com maior eficiência e durabilidade em relação aos paineis convencionais.
 
A BYD Energy faz parte do Grupo BYD, que emprega 180 mil pessoas em 15 unidades instaladas em várias partes do mundo. Desde 2011, o grupo prospecta o mercado brasileiro e, desde então, conta com o apoio da Apex-Brasil, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. No ano passado, o grupo chinês aportou R$ 100 milhões na instalação de uma fábrica de ônibus elétricos em Campinas (SP).
 
Para o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, a chegada de uma nova planta para fabricação de painéis fotovoltaicos no Brasil deve ser celebrada não apenas pela geração de novos empregos, mas também por ser um estímulo para o desenvolvimento da indústria nacional. De acordo com ele, a nova unidade é um investimento em alta tecnologia, que estimulará a setores indiretos do nosso parque industrial. Já para David Barioni Neto, a concretização de aportes estrangeiros é uma decisão que envolve muito planejamento, por isso leva tempo para ser realizada. Segundo ele, muito além do dinheiro, o investimento representa um avanço tecnológico para o Brasil, inaugurando uma nova frente de produção energética.