Tolmasquim descarta racionamento em 2015

Redução da demanda, nova oferta de energia e vazões do último trimestre melhoraram as perspectivas para o setor este ano

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética, Maurício Tolmasquim, afirmou nesta quinta-feira, 30 de abril, que o racionamento está praticamente descartado em 2015. Segundo ele o atual nível de reservatórios pode trazer uma certa segurança de abastecimento até novembro caso a medida de vazões no período seco, que vai de maio a inicio de novembro, fique em 70% da média de longo termo.

“O período úmido não acabou ainda, mas estamos chegando lá. Hoje diria que a questão do racionamento está descartada esse ano por que aconteceu o que estávamos prevendo. Apesar de janeiro ter sido ruim houve melhora entrou oferta de energia nova importante nesse trimestre e houve redução da carga por conta de vários fatores como temperatura mais amena, redução da atividade econômica, e tivemos ainda a questão da campanha do uso eficiente da energia e também melhoria da hidrologia no último período. Ainda está abaixo da média histórica, mas não tão ruim como janeiro e fevereiro”, avaliou o executivo a jornalistas após o leilão A-5, realizado na sede da CCEE, em São Paulo.
Tolmasquim ainda disse que mesmo se o nível de armazenamento ficar abaixo do patamar de 10% é possível que se mantenha a operação das UHEs. Ele afirmou que esse patamar representa um nível de segurança para o setor mas que é comum usinas funcionarem com nível de armazenamento abaixo disso. Contudo, afirmou que a meta é de chegar em novembro a pelo menos 10% até quando começar o período úmido e com a retomada das chuvas recompor o nível de reservatórios para 2016.