Vazão mínima de usina de Xingó passa para 580 m³/s

Redução foi aprovada na reunião semanal de avaliação dos reservatórios do São Francisco e vale a partir de 31 de agosto

A Chesf foi autorizada a reduzir a vazão mínima da hidrelétrica de Xingó dos atuais 600m³/s para 580m³/s a partir das 8h desta quinta-feira, 31 de agosto. A redução foi proposta pela Companhia de Saneamento de Sergipe e aprovada na última segunda-feira, 28, na reunião semanal de avaliação dos reservatórios do rio São Francisco, coordenada pela Agência Nacional de Águas.

O objetivo é avaliar os impactos da medida sobre os diversos usos da água, especialmente para o abastecimento da região metropolitana de Aracaju. A Chesf já tem autorização da agência reguladora e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis para diminuir a vazão das UHEs Sobradinho e Xingó de 600 m³/s para 550 m³/s,  que seria a média mínima diária de água liberada dos reservatórios.

Esse limite ainda não foi adotado, segundo a ANA, porque serão necessários testes com vazões maiores, como os 580m³/s aprovados na reunião de avaliação. A ideia é preservar o estoque de água nos reservatórios e garantir o uso da água para  atividades prioritárias, como o abastecimento humano, até o inicio do período chuvoso. A previsão do Operador Nacional do Sistema Elétrico é de que Sobradinho atingirá o volume morto em outubro.

Chuvas abaixo da média desde 2012 na Bacia do São Francisco fizeram com que a vazão mínima baixasse de 1.300 m³/s para R$ 1.100m³/s. Reduções sucessivas desde então atingiram o nível atual de 600 m³/s, com perspectiva de atingir 550m³ para evitar que a quantidade de água do volume morto utilizada no fim do período seco seja ainda maior do que o recomendado.