Subestação da Celpe entra em operação no Sertão pernambucano

SE Afogados da Ingazeira tem potência de 66,6 MVA e beneficiará cerca de 250 mil habitantes da região do Pajeú. Investimento foi de R$ 25 milhões

O sistema elétrico do Sertão pernambucano passou a contar com um importante reforço, com a entrada oficial de operação da Subestação Afogados da Ingazeira. O anúncio foi realizado pela Celpe, que também afirmou ter investido cerca de R$ 25 milhões no empreendimento, cuja potência é de 66,6 MVA, e ampliará a oferta de energia na região do Pajeú para uma população de aproximadamente 250 mil habitantes, em mais de 80 mil unidades consumidoras.

Além do município de Afogados da Ingazeira, a nova unidade passa a beneficiar diretamente as cidades de Iguaraci, Ingazeira, Tabira, São José do Egito, Tuparetama, Itapetim, Brejinho, Santa Terezinha e Solidão. Para possibilitar a integração ao sistema, a Celpe realizou uma série de obras, como a construção de uma linha de transmissão de 46 quilômetros de extensão, em 138 kV, entre as cidades de Flores e Afogados da Ingazeira, além da interligação da nova SE com três linhas de transmissão, em 69 kV. Também foram empreendidas obras de melhoria nas cidades de Flores, Tabira e São José do Egito, permitindo melhorias no fornecimento de energia da região.

Instalada estrategicamente em um dos principais polos comerciais do Vale do Pajeú e numa região que se destaca pela agropecuária, a nova subestação permitirá, além da expansão da rede, maior flexibilidade do sistema elétrico na área, possibilitando a redistribuição do atendimento de cargas das cidades da região. “A nova subestação representa um significativo ganho para o Sertão do Pajeú. Com a conclusão da obra, ampliamos largamente a oferta de energia para 10 municípios da localidade, além de consolidarmos importantes melhorias em todo o sistema elétrico da região”, ressaltou o presidente da Celpe, Antonio Carlos Sanches.

 Visando reforçar a importância do uso seguro da energia elétrica, uma iniciativa da companhia no novo empreendimento foi de convidar estudantes da Escola Estadual Monsenhor Antônio de Pádua para pintarem os muros externos, sob orientação do artista Galo de Souza, com dicas importantes como não soltar pipas nas proximidades, evitar a instalação de antenas perto da rede, não fazer ligações clandestinas, entre outras. A grafitagem tem sido uma prática adotada pela concessionária como estratégia para evitar pichações, transformando os muros em painéis informativos sobre o convívio com a energia elétrica.