GE e Petrobras anunciam contrato de US$ 300 milhões para manutenção em termelétricas

Conglomerado americano será responsável pela inspeção, troca de peças, serviços de interrupção e geradores para onze usinas da estatal, atuando sobre 80% da sua capacidade de geração

A GE Power anunciou nesta segunda-feira, 16 de abril, um contrato que irá atender geradores de 11 usinas da Petrobras no Brasil. O contrato, de mais de US$ 300 milhões, foi descrito pela empresa como o maior negócio de todos os tempos em serviços de geração de energia da GE na América Latina. O projeto contempla cerca de 80% da base instalada da Petrobras e gera 4,3 GW, equivalente ao consumo de 57 milhões de brasileiros.

“A Petrobras é uma empresa integrada de energia, com foco em óleo e gás, compromissada com a eficiência de seus investimentos e redução de custos sem comprometer as metas de segurança e produção”, afirmou Alexsandro Silva, gerente geral de Suporte à Operação de Ativos de Energia da Petrobras. “A gente vem trabalhando com a GE há vários anos para garantir o alto desempenho dos ativos de geração de energia instalados em nossas fábricas. Estamos satisfeitos com essa experiência única de transação com a GE, que deve ajudar nos ajudar a realizar nossas interrupções programadas nos próximos quatro anos, além de aumentar significativamente nossas economias em manutenção ao longo da duração do contrato”, explicou.

Como OEM dos ativos, a expertise da GE em turbinas a gás, perfis operacionais e soluções de tecnologia foram essenciais para a concretização do negócio. A plataforma Fleet360, que oferece soluções completas para usinas, ajudará a Petrobras na execução segura e de longo prazo de paradas programadas em suas 11 unidades em todo o país.

“Esse é o nosso maior contrato de serviços de geração de energia na América Latina”, disse Scott Strazik, presidente e diretor executivo da GE Power. “Ele é resultado do nosso bom relacionamento com a Petrobras e reforça nosso compromisso com os negócios e nosso foco em trabalhar com nossos clientes para encontrar as soluções adequadas para atender às suas necessidades. Além disso, manter a atuação das turbinas a gás em tempos de orçamentos reduzidos pode ser um desafio difícil”, explica o executivo. “Este projeto mostra como podemos adaptar as soluções para reduzir os custos operacionais e de manutenção, que no caso da Petrobras será em até 25%, e fornecer suporte a longo prazo, que para a Petrobrás será nos próximos quatro anos.”, completou.

O acordo assinado em dezembro de 2017 prevê quatro anos de inspeções, peças e reparos de 20 turbinas a gás (quatro 6FA, seis 7FA, 10 GT11N2), 23 turbinas a gás aero-derivadas GE LM6000, três turbinas a vapor e 13 geradores, que a Petrobras opera nas onze usinas desde 2001.