São Paulo terá Arranjo Produtivo voltado a geração renovável

Incluindo fonte eólica e solar, iniciativa pretende reunir agentes do setor para articular projetos e conhecimento, incentivando também a produção e geração de empregos no estado, que deve dobrar em 10 anos

Destinado a incentivar a geração de energia elétrica por meio de fontes renováveis, o governo de São Paulo oficializou o lançamento do 1º Arranjo Produtivo Local (APL) voltado para a energia eólica e solar. O anúncio foi feito pelo subsecretário de Energia Renováveis da Secretaria de Energia e Mineração do Estado, Antonio Celso de Abreu Jr, em solenidade realizada na sede do Ciesp de Sorocaba (SP), na última segunda-feira, 25 de junho.

O objetivo da iniciativa é reunir as empresas da região no setor de renováveis e reforçar a articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, como governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa. Com 98 instalações fotovoltaicas com potência de 482 kW, Sorocaba é um dos principais polos de multinacionais voltadas para os setores de energia solar e eólica, além de toda uma cadeia produtiva de componentes.

A primeira reunião do grupo multisetorial aconteceu em abril de 2016 na sede da Investe São Paulo, quando o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, e o deputado federal, Vitor Lippi, reuniram as principais empresas e instituições da região. Um mês depois aconteceu a primeira reunião de trabalho do grupo na sede da empresa Flex, em Sorocaba. De lá pra cá já foram realizadas ao todo 22 reuniões.

Cerca de 25 empresas da cidade irão fazer parte do Arranjo, entre elas estão a Canadian, uma das maiores do mundo na produção de painéis fotovoltaicos, a Wobben Windpower, que produz componentes e aerogeradores, e a Tecsis fabricante de pás eólicas, ambas do setor de energia eólica, como também a Prysmian que produz cabos e ABB fabricante de componentes e sistemas.