Mudança para o mercado livre foi atrativa em novembro, segundo FDR

Resultado de índice é atribuído ao início do período chuvoso nas principais bacias

O mês de novembro foi o melhor do ano para saída de empresas do ambiente cativo para o mercado livre, segundo dados do Índice Nacional de Atratividade do Mercado Livre para Fontes Limpas de Energia. O resultado atingiu média 0,602, um aumento de 4% em relação a outubro, que teve média 0,578. No índice do mês, quinze estados apresentaram boa viabilidade para a troca de ambientes.

Tocantins manteve a liderança anual do ranking e teve média 0,702. Na sequência, ficou o estado do Pará, com 0,691, seguido por Espírito Santo, com nota 0,677, Goiás, com 0,675 e Rio de Janeiro, com média 0,674. Os demais onze estados obtiveram classificação moderada e o Amapá se manteve na lanterna do ranking, com nota 0,420. Roraima não participa da classificação, pois está fora do Sistema Interligado Nacional.

Segundo a FDR, o resultado é atribuído ao início do período chuvoso nas principais bacias responsáveis pela geração de energia no país. “A expectativa para os próximos meses é de um verão chuvoso, que abasteça os reservatórios de água para todo o ano de 2019, em função do fenômeno El Niño”, disse Erick Azevedo, sócio diretor da FDR Energia e coordenador do estudo.

O índice, tal qual o modelo do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU), é calculado em um intervalo de “0,000” (para a menor atratividade) e “1,000” para a maior atratividade.