Aneel prepara P&D estratégico sobre mobilidade elétrica

Anúncio foi feito durante a abertura do Sendi, em Fortaleza; expectativa é aplicar mais de R$ 400 milhões nos projetos

O diretor geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, anunciou na noite da última terça-feira, 20 de novembro, o lançamento de uma consulta pública para um Programa de Pesquisa & Desenvolvimento Estratégico intitulado “Desenvolvimento de Soluções em Mobilidade Elétrica”. O anunciou foi realizado durante a abertura da 23º edição do Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica (Sendi), que acontece até sexta-feira (23/11), em Fortaleza.

“Aproveito o Sendi para anunciar em primeira mão que a Aneel vai registrar uma chamada de P&D Estratégico intitulada ‘Desenvolvimento de Soluções em Mobilidade Elétrica’. Essa chamada está em linha com a inovação que acabamos de falar e com a realidade que avança a cada dia não só no nosso país, mas no mundo inteiro”, disse o executivo.

A consulta pública nº 29/2018 já está com a documentação disponível no site da Aneel. O período de contribuição vai até 5 de janeiro de 2019, por meio de intercâmbio documental. Pepitone acredita que até fevereiro a consulta terá passado por todos os ritos internos e estará pronta para ser aprovada pela diretoria da Aneel.

“A proposta do P&D não é o veículo elétrico, mas os efeitos do VE no sistema. O projeto vai obter soluções de mobilidade elétrica por meio de modelos de negócio, equipamentos, tecnologia, avaliar como o VE afeta o sistema, tensão, estabilidade de frequência, harmônicos e como as energias renováveis podem ser utilizadas associadas ao armazenamento. Toda essa conjunção de fatores vai estar no escopo desse projeto”, explicou Pepitone.

A expectativa da Aneel é que esse projeto supere o volume de recursos movimentado no P&D de armazenamento de energia, que reuniu entorno de R$ 400 milhões. A novidade é que as partes interessadas terão que se envolver com 10% do capital investido. O restante será financiado com recursos de P&D da Aneel, que anualmente arrecada cerca de R$ 1 bilhão.

“Até o momento o mercado se dedicava a pesquisa. Só que o volume de recurso envolvido atualmente é muito elevado. Estávamos falando de R$ 1 bilhão todo ano, sendo R$ 0,5 bi para eficiência energética e R$ 0,5 bi para P&D. Isso é dinheiro do consumidor de energia e não tem possibilidade de ficar contingenciado. A pesquisa é importante, mas os nossos P&Ds mudaram o foco, não vamos ficar no âmbito da pesquisa, precisamos de algo mais, de ter um produto concreto que traga benefício para esse consumidor”, disse Pepitone. Atualmente, existem apenas 8 mil veículos elétricos no país, sendo que apenas 500 unidades são totalmente elétricos e o restante híbridos. Na Noruega, por exemplo, 60% dos veículos em circulação já são elétricos.

SENDI DA DISRUPÇÃO

O Sendi é o maior fórum de discussões do setor elétrico brasileiro e tem como intuito promover a troca de experiências entre as empresas distribuidoras de energia elétrica, fomentando ideias para o desenvolvimento da qualidade dos serviços prestados. O seminário, que acontece desde 1962 a cada dois anos, é organizado este ano pela Enel Distribuição Ceará e realizado pela Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee).

“O Sendi, nessa edição, tem como principal objetivo discutir as novas tendências do setor na era da digitalização e da mobilidade elétrica, sempre com o foco no cliente consumidor e tudo isso amparado por um modelo regulatório claro, estável e atento às inovações”, disse o diretor da Aneel.

Além de Pepitone, a abertura contou com a presença de autoridades locais e de representantes de toda cúpula do setor elétrico nacional, entre eles Luiz Eduardo Barata, diretor geral do Operador Nacional do Sistema (ONS); Rui Altieri, presidente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Reive Barros, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), além dos anfitriões Nicola Cotugno, country manager da Enel no Brasil, Mário Santos, presidente do Conselho de Administração da Enel e Roberto Zanchi, diretor presidente da Enel Ceará, distribuidora de energia elétrica que atende ao estado.

“Esse é o Sendi da disrupção. Uma oportunidade de visualizar o futuro do negócio da energia”, disse Santos, lembrando que o evento conta com mais de 5 mil inscritos. Zanchi disse que o evento foi pensado por dois anos para ser algo inovador: “Colocamos toda a nossa energia desde o primeiro dia. Queremos que essa edição entre para história.”

“Projetamos este seminário com o calor do Ceará, transformando o evento em uma experiência única. Mudamos o conceito de salas em espaços confinados, comumente usados, para um ambiente aberto e integrado à Exposendi, com a utilização de uma Arena Silenciosa, por meio de tradução simultânea e rádio receptores. Esperamos que o evento traga para Fortaleza novas oportunidades, mais eficiência, mais segurança e também crescimento para o estado”, destaca o coordenador geral do Sendi 2018, Osvaldo Ferrer.

O repórter viajou a convite da Abradee