PLD fica abaixo de R$ 60/MWh em todos os submercados

Consolidação do período úmido e antecipação do linhão de Belo Monte contribuíram para a queda dos preços no mercado spot

O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para o período entre 1º e 7 de dezembro caiu 41% ao passar de R$ 100,72/MWh para R$ 59,04/MWh nos submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte. Já o preço no Nordeste foi fixado em R$ 59,16/MWh, uma vez que o limite de recebimento de energia no submercado foi atingido no patamar de carga leve, provocando o descolamento frente aos demais.

Segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a redução do PLD se deu principalmente em função da consolidação do período úmido e consequente melhoria nas afluências em todo o sistema. Outro fator que contribuiu para a queda do preço foi o início antecipado da operação do 2º bipolo de Belo Monte, o que aumenta os limites de transferência de energia entre os submercados no período.

A afluências previstas para o Sistema Interligado Nacional (SIN), em novembro, devem ficar em torno de 117% da Média de Longo Termo (MLT), acima da média para Sul (110%) e no Sudeste (133%). Para dezembro, as Energias Naturais Afluentes (ENAs) também devem ficar acima da média para o período, em torno de 110% da média histórica.

Para a próxima semana, a expectativa é que a carga fique em torno de 500 MW médios mais alta no SIN, redução esperada apenas no Norte (-180 MW médios) e elevações no Sudeste (+115 MW médios), Sul (+300 MW médios) e no Nordeste (+265 MW médios).

Já os níveis dos reservatórios do SIN ficaram cerca de 2.340 MW médios mais altos em relação ao esperado, com elevação em todos os submercados, exceto no Sul (-140 MW médios). As elevações são de 2.040 MW médios no Sudeste, 210 MW médios no Nordeste e de 230 MW médios no Norte.

O fator de ajuste do Mecanismos de Realocação de Energia (MRE) esperado para novembro é de 78,6% e a previsão para dezembro é de 96,7%. Os Encargos de Serviços do Sistema (ESS) esperados para novembro estão em R$ 155 milhões, sendo R$ 106 milhões referentes à restrição operativa e os demais R$ 49 milhões à segurança energética. Para dezembro, a previsão de ESS é apenas por restrição operativa, na ordem de R$ 66 milhões.