Enel Distribuição SP amplia atendimento emergencial no verão

Empresa firma parceria com a CET para liberação de vias exclusivas nos dias com mais ocorrências e rede é modernizada com equipamentos de automação. Equipes de emergência poderão saltar de 219 para 1.300, dependendo da demanda

Com a proximidade do verão, período mais chuvoso, a Enel Distribuição São Paulo divulgou um plano de mobilização para o período que geralmente registra o maior volume de demandas. Durante o ano, a empresa destina 219 equipes diariamente para atendimento de emergência, que passará agora para 1.300 turmas nos dias com mais ocorrências.

Para chegar a esse quórum, em dias mais intensos de ocorrências, as equipes que trabalham em outras frentes, como poda de árvores, construção de redes e equipes comerciais serão deslocadas para o atendimento emergencial.

O diretor de operações da Enel Distribuição SP, Saulo Ramos, explica que em 2019 teremos o El Niño, evento climático que proporciona mais chuvas. “Por isso, aprimoramos a nossa logística para, em caso de interrupção de energia, normalizarmos o sistema o mais rápido possível”, afirmou.

A distribuidora também fechou uma parceria com a Prefeitura de São Paulo e com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para a liberação do uso de corredores de ônibus e vias exclusivas nos dias com maior número de ocorrências. E, ainda, técnicos da concessionária estarão no CICCR (Centro Integrado de Comando e Controle Regional) atuando em conjunto com colaboradores de outras empresas, como COBOM, COPOM, Sabesp etc. “Essas ações contribuem para solucionarmos, juntos e mais rapidamente, as ocorrências mais sensíveis, como as que envolvem árvores”, afirmou Ramos.

Manutenção preventiva: automação da rede e podas

 Investimento constante em tecnologia também faz parte da estratégia de manutenção preventiva da empresa, que deve fechar 2018 com mais de R$ 1 bilhão destinados, principalmente, à grandes obras, como a construção de novas subestações, e automação da rede elétrica. São mais de 5.400 religadores automáticos e 6.600 identificadores de falta, equipamentos instalados na rede para reduzir o número de ocorrências e agilizar o restabelecimento.

Também foram implementados 2.760 self healing, sistemas que fazem a reconfiguração da rede isolando o defeito para reduzir o número de clientes impactados. E, ainda, 1.960 trip savers, que são proteções da rede para restabelecer a energia no caso de um defeito transitório, como um galho que tocou a rede, mas não danificou o fio.

Outro destaque é o programa de podas. Em 2018, a distribuidora deve fechar o ano com mais de 420 mil procedimentos do tipo sendo realizados em galhos de árvores próximos da rede elétrica. A interferência de galhos com o sistema elétrico é a principal causa de interrupção de energia.